REFUGIADAS NA BIBLIOTECA PÚBLICA: relatos e reflexões sobre a integração social de mulheres imigrant

Um dos desafios prementes do mundo globalizado e das sociedades multiculturais é a integração dos indivíduos de forma a evitar conflitos entre a diversidade grupos étnicos. No atual contexto de uma grave crise mundial de imigração, a reflexão e o debate sobre as formas de acolhimento de pessoas em situação de refúgio tornam-se mais do que nunca imprescindíveis e urgentes. Diante de tal necessidade, parece pertinente rememorar o trabalho de Audunson, Essmat e Aabø (2011), que revela o papel preponderante que bibliotecas públicas podem assumir no acolhimento e na inclusão de imigrantes. O artigo dos autores intitulado Public libraries: a meeting place for immigrant women? procura apresentar a influência que as bibliotecas públicas norueguesas exercem na vida de mulheres imigrantes residentes no país, especificamente daquelas mulheres cuja cultura de origem difere consideravelmente da cultura ocidental.

Parece evidente o potencial das bibliotecas públicas para auxiliar o processo de integração de imigrantes à sua sociedade e à comunidade. Tais instituições permitem que os imigrantes mantenham contato com a sua cultura de origem a partir da constituição e disponibilização de acervos voltados para um público culturalmente diversificado. Além disso, essas bibliotecas têm a capacidade de auxiliar na integração de indivíduos oriundos de outros países através da disponibilização de informações necessárias para a sua adaptação à nova realidade, como aquelas relativas à cidadania, emprego, idioma e costumes da sociedade anfitriã. E partindo exatamente desses pressupostos, Audunson, Essmat e Aabø (2011) fizeram um estudo baseado em entrevistas qualitativas realizadas com nove mulheres de origem iraniana, iraquiana e afegã, um terço delas em situação de refúgio político e todas imigrantes na Noruega. A partir da entrevista foram obtidos os seguintes resultados: (1) as bibliotecas europeias são mais desenvolvidas que aquelas pertencentes aos países de origem das respondentes, e estas veem suas bibliotecas locais na Noruega como um lugar atrativo; (2) as bibliotecas foram utilizadas como uma forma de lidar com as dificuldades inerentes a situação de imigrantes vivenciada pelas mulheres entrevistadas, especialmente durante os seus estágios iniciais; (3) para a maioria das respondentes, a biblioteca foi vital para que pudessem aprender o idioma e diversos outros aspectos da cultura do novo país; (4) para as imigrantes a biblioteca é considerada um lugar seguro em que elas podem realizar diversas atividades, sozinhas, com os filhos ou em grupo; (5) a biblioteca funciona como uma ponte para a cultura do país de origem das mulheres entrevistadas, além de gerar um sentimento de confiança pelo simples fato da instituição prestigiar suas culturas através dos serviços oferecidos (AUDUNSON; ESSMAT; AABØ, 2011).


A partir dos resultados apresentados foi possível aos autores verificar que as bibliotecas públicas são para as mulheres imigrantes instituições que atuam como um suporte para a sua inclusão na sociedade norueguesa. A relevância da biblioteca pública é percebida em várias esferas da vida das imigrantes, tais como educação, emprego, família e socialização, entre outras, oferecendo pontes tanto para a cultura do novo país como para a cultura de origem. As bibliotecas também foram identificadas como espaços de conforto e consolação, assim como arenas em que as imigrantes moveram-se de um estágio de observação e aprendizado da nova cultura para um estágio de participação efetiva de atividades sociais. Percebe-se ainda que o papel de tais instituições desenvolveu-se durante a experiência das imigrantes, servindo como espaços de encontros de baixa e alta intensidade, capaz de tornar as bibliotecas públicas em instituições com um alto grau de confiança estimado pelas mulheres imigrantes (AUDUNSON; ESSMAT; AABØ, 2011). Tais conclusões permitem corroborar o papel social significativo das bibliotecas públicas paras as comunidades de refugiados e refugiadas no oferecimento de acesso à informação e de novas oportunidades de uma vida digna. As experiências relatadas no referido trabalho norueguês podem servir ainda como fonte e incentivo aos estudos comparados que busquem reunir diversas iniciativas de integração social de imigrantes no sentido de apresentar as diversas frentes em que a biblioteca pública pode atuar em prol dos imigrantes.



AUDUNSON, Ragnar; ESSMAT, Sophie; AABØ, Svanhild. Public libraries: a meeting place for immigrant women? Library & Information Science Research, 33, 2011. p. 220-227.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ