É DE FATO SOCIAL A CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO?


O que, de fato, é o “social” dentro do informacional? Quando este “social” é (ou torna-se) “sociológico” ? É a CI que precisa se afirmar como “ciência social” ou o seu modo de pensar deve se colocar, informacionalmente, como lente para o “social” ?


As tentativas recentes (pós-anos 1960) de tratar uma “ciência da informação” como uma “ciência social” é, desde seu primeiro momento, antes de uma justificativa para o nascimento de uma concepção sócio científica de um domínio do conhecimento, a preocupação de um “devir” difuso e-ou esvaziado, o risco de perda de sentido e, mesmo, de extinção de um saber, espraiado em suas relações interdisciplinares. Em outras palavras, a procura por uma afirmação do “social” como aquilo que “epistemologicamente” fundamenta o “informacional” representa uma profunda luta pelo apagamento de um âmbito dos estudos sociais da informação e pela sua reconfiguração como “ciência dura”.

O percurso de ressignificação de conceitos na CI depende, em nossa visão, de uma epistemologia histórica capaz de compreender a produção conceitual anterior e em curso que se estabelece sob o ponto de vista do informacional, e não do “social sociológico” como um “outro”, como a margem oposta. Trata-se da provisão necessária para compreender os conceitos “sociológicos” à luz do universo informacional.


Outro ponto importante é perceber, ainda dentro da epistemologia histórica, como personagens como Otlet, se apropriaram de conceitos de nomes como Tarde e Durkheim para construir suas interpretações da realidade social. Constatamos, pois, que uma das margens centrais para a compreensão das abordagens sociais na Ciência da Informação está, antes, no reconhecimento, a partir de uma epistemologia histórica, das condições sociais de fundamentação do campo e de sua apropriação a partir de uma tríade dimensional sobre o “social”: a) aquele da “sociedade” como fenômeno no qual o campo está inserido; b) aquele “operacionalizado” a partir das “lentes” dos estudos informacionais; c) aquele “retirado” da construção sociológica, outra seja, “social-epistêmico”, já constituído como um construto reflexivo para analisar o próprio social.


Algumas fontes

ARAÚJO, Carlos Alberto Ávila. A ciência da informação como ciência social. Ciência da Informação, v. 32, n. 3, p. 21-27, set./dez. 2003.

BAUMAN, Zygmunt. Aprendendo a pensar com a sociologia. Rio de Janeiro: Zahar Edires, 2010.

BEZERRA, Arthur; SALDANHA, Gustavo S. Sobre Comte, Durkheim e Tarde em Otlet: o papel do positivismo na consolidação dos estudos da informação. Fronteiras da Ciência da Informação. Brasília: IBICT, 2013. p. 34-56.

DEMO, Pedro. Ambivalências da sociedade da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 29, n. 2, p. 37-42, maio/ago. 2000.

DOMINGUES, Ivan. Epistemologia das ciências humanas. tomo 1: positivismo e hermenêutica. São Paulo: Loyola, 2004.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 1996.

GONZALEZ DE GOMEZ, Maria Nélida. A configuração temática da ciência da informação do instituto brasileiro de informação em ciência e tecnologia. 1982. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação) – UFRJ/ECO - CNPq/IBICT, Rio de Janeiro, 1982.

MILLS, C. Wright. A imaginação sociológica. 4. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.

MOREIRA, Eliana Monteiro; OLIVEIRA, Roberto Veras de; Sentidos da globalização: um desafio ao pensamento sociológico. In: ______. (Orgs.) O fenômeno da globalização em perspectiva local e multidimensional. João Pessoa: EDUFPB, 2009. p. 9-35.

OTLET, Paul. Traité de documenatation: le livre sur le livre: théorie et pratique. Bruxelas: Editiones Mundaneum, 1934.

ROUBAKINE, Nicolas. Introduction a la psychologie bibliologique; v.1 Paris: Association Internacionale de Bibliologie, 1998

TOURAINE, Alain. O retorno do actor: ensaio de sociologia. Tradução de Armando Pereira da Silva. Lisboa: Instituto Piaget, 1996.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ