Dos falsos antagonismos informacionais (1) ...a técnica como prestígio...

Relata-se que, desde o uso do termo “documentação” por Paul Otlet, já encontrávamos um problema profundo de “distinção”, colocado em prática a partir de uma “guerra profissional” entre bibliotecários e aqueles agora tratados como documentalistas.

Com o termo "information" esta cadeia de distinção se multiplica ao sem-fim. Em razão do escopo deste trabalho, nos concentramos em algumas “distinções socioepistêmicas” que dialogam com as questões lancasterianas sobre “terminologia”. Mas outro percurso (fundamental) seria seguir a trilha de elaboração e de apagamento socioepistêmico do conceito de “epistemologia social” de Jesse Shera, candidato na década de 1950 à “consagração distintiva” no campo e desfigurado diante do poder político-epistêmico do neoliberalismo tecnicista emancipado sob o termo information contra o liberalismo humanista (fruto, por exemplo, da ação do mestre em literatura inglesa).

Esta relação, de qualquer modo, antecipa as questões nucleares lançadas pelos estudos bourdieusianos sobre os enfrentamentos simbólicos e os jogos de poder entre as diferentes “ciências”, principalmente, humanidades e ciências da natureza.

Pierre Bourdieu (2004a) lembra, em seus “Usos sociais da ciência”, que a reflexão sócio-crítica da vida do cientista deve “ir além as aparências”, identificando, reconhecendo e desmascarando as “falsas antinomias”. As “oposições declaradas” entre cientistas, conceitos e instituições terminam por esconder os interesses comuns. É o caso, por exemplo, do fato das principais instituições de CI dos Estados Unidos permanecerem, mesmo diante das “consagrações” e “epifanias” promovidas pelo termo information, com sua “velha” trajetória iniciada no século XIX: organizar, preservar e disseminar o conhecimento.

Os falsos antagonismos, incontáveis, estabelecidos a partir da palavra information, não se esgotam em nenhuma sócio-epistemologia dos estudos (hoje tratados como) informacionais. São processo e produto, resultante e resultados, daquilo que Bourdieu (2013, p. 226), chama de “manipulação simbólica” no campo universitário. A lista de “distinções” e seus contrapontos imediatos pode ser encontrada, por exemplo, na relação da técnica como prestígio, ou seja...

...“distinção sócio-epistêmica” dada a partir da construção da “inferioridade” do tecnicismo analógico diante do tecnicismo eletrônico, como se a CI não fosse um campo dedicado centralmente ao desenvolvimento de técnicas de recuperação da informação científica nos Estados Unidos, seu berço, ou seja, como se, de um lado, tivéssemos a “ciência da organização dos dados científicos pela via eletrônica” e, de outro, a “ciência da organização dos dados científicos pela via analógica”; como se o pensamento biblioteconômico fosse apegado às técnicas e aos artefatos arcaicos e atávicos, enquanto que a CI atuasse com “tecnologias avançadas da linguagem”, prescrevendo então uma espécie de Ciência Social Aplicada (a CI) que não poderia existir em países de Terceiro Mundo, dado seu atavismo e sua baixa evolução tecnológica.

Algumas fontes

BOURDIEU, P. Homo academicus. Florianópolis: ed. da UFSC, 2013.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: critica social do julgamento. 2. ed. rev. Porto Alegre: Zouk; São Paulo: EDUSP, 2011.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004a.

BOURDIEU, P. Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70, 2004b.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, P. Lições da aula: aula inaugural proferida no Collège de France em 23 de abril de 1982. São Paulo: Ática, 2001a.

BOURDIEU, P. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001b.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996.

FROHMANN, B. Documentation redux: prolegomenon to (another) philosophy of information. Library Trends, v. 52, n. 3, p. 387-407, win. 2004.

FROHMANN, B. Reference, representation, and the materiality of documents. In: COLÓQUIO CIENTÍFICO INTERNACIONAL DA REDE MUSSI. 2011. Anais... Toulouse: Université de Toulouse 3, 2011.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LANCASTER, F. W. Toward Paperless Information Systems. New York: Academic Press, 1978.

MEDEIROS, M. Recensão. Indexação e resumos: teoria e prática. Ci. Inf., Ci. Inf., Brasília, 22(2): 181-185, maio/ago. 1993

SALDANHA, G. S. O que é Ciência da Informação? Desafios imediatos e impactos hipotéticos da ?distinção? bourdieusiana na socioepistemologia dos estudos informacionais. In: Regina Maria Marteleto; Ricardo Medeiros Pimenta. (Org.). Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação. 1ed.Rio de Janeiro: Garamond, 2017, v. 1, p. 72-101.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ