Dos falsos antagonismos informacionais (2): do "futurismo" à "miséria culturalista&qu

Duas formas de inventar uma epistemologia neoliberal para os estudos informacionais estão na consagração do futuro (e nunca o presente, sujo e socialmente falido) como horizonte e tomar a cultura pela sua miséria a-evolutiva no plano vertical, e não pela sua diversidade no horizonte que nos desloca...

1) O “futuro” (progresso) como “horizonte”: “distinção sócio-epistêmica” julgada a partir da construção da “inferioridade” do patrimonialismo bibliográfico diante do futurismo das redes eletrônicas, sustentada pelos instrumentos de medição iluministas-positivistas. Por trás, por exemplo, do “mito” dos paradigmas de Miksa (1992), constrói-se aqui o argumento de que o paradigma da Biblioteconomia era o da preservação ou da patrimonialização, enquanto o da CI era o do acesso, a) como se ambos fossem excludentes, b) como se o primeiro não fosse, no fundo, pauta estrutural de uma guerra biblioteconômica do século XIX, entre anglofonia e francofonia, e c) como se não existisse uma dependência teórico-técnica da “patrimonialização eletrônica” para o sucesso epistêmico da “consagração” da ideia de information retrieval;

2) A “miséria culturalista” perante o “milagre tecnicista”: “distinção sócio-epistêmica” estabelecida a partir da construção da “inferioridade” da “ciência enciclopédica” e sua incapacidade de se tornar “casta epistemicamente” – das Humanidades, em linhas gerais, mas também das ciências sociais, como é o caso do confronto da biografia de Jesse Shera e seus futuros “concorrentes” -, diante da “positividade natural” das ciências exatas, traduzida na invenção social da influência da Teoria Matemática da Comunicação e da Cibernética nos domínios da organização do conhecimento (estas, em um primeiro momento de construção da expressão information science, raramente citadas), quando Paul Otlet já havia discutido a questão sintática e a “geração miraculosa estadunidense” do 1870 já havia discutido o conceito de informação no estudo das comunidades científicas e desenvolvido diferentes técnicas de registro, migração e acesso aos conteúdos e continentes.

Algumas fontes

BOURDIEU, P. Homo academicus. Florianópolis: ed. da UFSC, 2013.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: critica social do julgamento. 2. ed. rev. Porto Alegre: Zouk; São Paulo: EDUSP, 2011.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004a.

BOURDIEU, P. Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70, 2004b.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, P. Lições da aula: aula inaugural proferida no Collège de France em 23 de abril de 1982. São Paulo: Ática, 2001a.

BOURDIEU, P. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001b.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996.

FROHMANN, B. Documentation redux: prolegomenon to (another) philosophy of information. Library Trends, v. 52, n. 3, p. 387-407, win. 2004.

FROHMANN, B. Reference, representation, and the materiality of documents. In: COLÓQUIO CIENTÍFICO INTERNACIONAL DA REDE MUSSI. 2011. Anais... Toulouse: Université de Toulouse 3, 2011.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LANCASTER, F. W. Toward Paperless Information Systems. New York: Academic Press, 1978.

MEDEIROS, M. Recensão. Indexação e resumos: teoria e prática. Ci. Inf., Ci. Inf., Brasília, 22(2): 181-185, maio/ago. 1993

SALDANHA, G. S. O que é Ciência da Informação? Desafios imediatos e impactos hipotéticos da ?distinção? bourdieusiana na socioepistemologia dos estudos informacionais. In: Regina Maria Marteleto; Ricardo Medeiros Pimenta. (Org.). Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação. 1ed.Rio de Janeiro: Garamond, 2017, v. 1, p. 72-101.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ