A ontologia, a roda e o sujeito: informação como exclusão epistêmica...

O bibliotecário Wilf (Lancaster) esteve no Brasil e colaborou objetivamente para a construção da pós-graduação no país a partir daquele que era seu domínio mais profundo de estudo, resultante da longa e consagrada atuação, a Biblioteconomia e os processos de recuperação da informação (ou seja, agora, a information science), ou, ainda (apenas), a classificação... A mesma classificação que, para seu desalento, passara a ser chamada, nas suas palavras, de "ontologia", a partir das primícias dos anos 1990.

Em sua trajetória, acumulou ainda em vida as posições de poder político na gestão do capital universitário e as posições simbólicas resultantes de seu “trabalho pessoal”, como classifica Bourdieu (2013, p. 135), na descrição do homo academicus. Apresentada em sua cronologia de “consagrações”, a bio-obra de Lancaster é uma espécie de modelo deste “homem” investigado pelo filósofo francês.

"Lancaster joined GSLIS [Graduate School of Library and Information Science] in 1970 as an associate professor and director of the biomedical librarianship program (1970-73); in 1972, he became a full professor; and in 1992, following his retirement, he was honored with the title of professor emeritus. During his distinguished career, he taught courses in information retrieval, bibliometrics, bibliographic organization, and the evaluation of library and information services. He served as the editor of Library Trends, a quarterly journal examining critical trends in professional librarianship, from 1986 to 2006. For the period from 1989 to 1992, he was named University Scholar, a prestigious program recognizing the University’s most talented teachers, scholars, and researchers. Nationally and internationally, Lancaster was recognized as a leader in the field of library and information science through his work as a teacher, writer, and scholar. He was honored three times with Fulbright fellowships for research and teaching abroad, named a fellow of the Library Association of Great Britain, and recognized by the Association for Information Science and Technology (ASIS&T) with both the Award of Merit and the Outstanding Information Science Teacher award. He was the author of 15 books, several of which have received national awards and been translated into languages such as Arabic, Russian, Chinese, Japanese, Korean, Spanish, and Portuguese. Lancaster also engaged in a wide range of consulting activities for organizations around the world, including UNESCO and the United Nations. "(GRADUATE..., 2014, grifo nosso)

A partir da lista de “poderes universitários” acumulados é possível de reconhecer a posição simbólica de Wilf dentro do campo (professor, diretor, pesquisador, autor, revisor, editor...). Contudo, seu poder de “naturalizar” o “idioma” da especialidade na qual é pensador (pensador aqui é sinônimo acurado de “poder”) “estruturante” não pode conter a “fratura” nas pretensas “naturezas” dos conceitos do campo lançadas ao tempo-espaço das lutas acadêmicas.

A palavra “ontologia”, passados 20 anos da crítica do premiado livro de Wilf, em 1991, hoje é adotada sem maiores restrições no campo informacional, pelo menos no território brasileiro. Wilf morre em 2013. A noção de “papel” na obra de 1978 de Lancaster "Toward paperless information system", curiosamente repercutida em seu decurso como profissional-teórico (qual é, de fato, o papel do profissional-cientista da informação no mundo...?), é fundamental para a compreensão das “distinções” elaboradas e reelaboradas, tecidas e afirmadas diariamente no discurso epistemológico da CI, uma vez que ela engendra uma hermenêutica da filosofia da informação em seus discursos centrais: a abordagem ora relacional, ora “oposicional”, entre homem e máquina.

Se nos permitirmos retomar o jogo oportuno do significado de “papel”, aqui, tanto no sentido do “suporte da informação” (artefato), quanto no sentido do “papel” sócio-histórico do profissional da informação (do indivíduo) no mundo (ou seja, o corpo), podemos discutir criador e criatura no universo de uma filosofia da informação, chegando ao plano da ética nos discursos da atualidade.

Talvez esteja no “neodocumentalismo” (que expõe, ainda que não seja sempre sua intenção, inúmeras “feridas distintivas” na construção da expressão “ciência da informação”), um dos discursos mais claros sobre a invenção das “distinções sócio-epistêmicas” no campo informacional. Discutindo a ética da informação, Frohmann (2000) nos chama a atenção para o problema da materialidade em três sentidos: os corpos e os artefatos por ele produzidos, além de suas instituições. Por trás de uma cibernética é preciso enxergar “corpos”, assim como a sócio-epistemologia de Bourdieu nos convoca, e não bytes. Mais especificamente: é preciso enxergar as distinções e seus julgamentos socialmente articulados.

É curiosa, no campo, a ausência de uma explicação “epistêmica pura” para a mudança de nomenclaturas das instituições (e, “então”, da própria nomenclatura geral da ciência que ali dizia se estabelecer) e, ao mesmo tempo, a completa ou quase-completa ausência de questionamento. Parece que a resposta mais profunda para o caso seja: “é assim” (resposta epistêmica casta).

Quando o discurso histórico é convocado ao debate, afirma-se: “foi assim” (resposta historiográfica casta). E a “verdade” sobre o que, de fato, é “informação”, por exemplo, quando tratamos da expressão “ciência da informação”, parece já estar dada, pelo menos, no passado, independentemente de sua polifonia. Pensar a definição de uma “Ciência da Informação” sem a materialidade-tríplice (homens, artefatos e instituições) é destituí-la não apenas de seu caráter social (sua condição categórica de “ciência social aplicada”), mas é também cronicamente retirar-lhe a condição de saber crítico no mundo contemporâneo.

Não há dúvida de que o conceito de “informação” que está dentro da palavra “ciência da informação”, principalmente no Brasil, não significa, nem de longe, “a margem de escolhas do receptor em um canal”, como em Claude Shannon e Warren Weaver, ou “estrutura que modifica a estrutura”, como em Nicholas Belkin. De fato, sócio-epistemologicamente, “informação” significa “distinção”, e o resultado de sua operacionalização, “exclusão”. Nos termos bourdieusianos (BOURDIEU, 2001a, p. 58), “O julgamento dos outros é o julgamento derradeiro; e a exclusão social, a forma concreta do inferno e da danação.” Por “exclusão social”, lê-se, na “sócio-epistemologia das distinções”, “exclusão epistêmica”.

Algumas fontes

BOURDIEU, P. Homo academicus. Florianópolis: ed. da UFSC, 2013.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: critica social do julgamento. 2. ed. rev. Porto Alegre: Zouk; São Paulo: EDUSP, 2011.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004a.

BOURDIEU, P. Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70, 2004b.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, P. Lições da aula: aula inaugural proferida no Collège de France em 23 de abril de 1982. São Paulo: Ática, 2001a.

BOURDIEU, P. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001b.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996.

FROHMANN, B. Documentation redux: prolegomenon to (another) philosophy of information. Library Trends, v. 52, n. 3, p. 387-407, win. 2004.

FROHMANN, B. Reference, representation, and the materiality of documents. In: COLÓQUIO CIENTÍFICO INTERNACIONAL DA REDE MUSSI. 2011. Anais... Toulouse: Université de Toulouse 3, 2011.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LANCASTER, F. W. Toward Paperless Information Systems. New York: Academic Press, 1978.

MEDEIROS, M. Recensão. Indexação e resumos: teoria e prática. Ci. Inf., Ci. Inf., Brasília, 22(2): 181-185, maio/ago. 1993

SALDANHA, G. S. O que é Ciência da Informação? Desafios imediatos e impactos hipotéticos da ?distinção? bourdieusiana na socioepistemologia dos estudos informacionais. In: Regina Maria Marteleto; Ricardo Medeiros Pimenta. (Org.). Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação. 1ed.Rio de Janeiro: Garamond, 2017, v. 1, p. 72-101.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ