'Foundations of a theory of bibliography': desinventando a Ciência da Informação

O exercício de retorno ao conceito de bibliografia não é e não pode ser a mera visita ao marco sócio histórico de aparecimento do termo e de sua manipulação teórica local e contextual. Uma epistemologia histórica há que demonstrar, com os riscos da atemporalidade filosófica, que tal conceito está carregado de uma potência e de uma atualidade que devem permanentemente ser lembradas e, fundamentalmente, discutidas.

Retirar, em regime temporário, o caráter social do conceito, é simplesmente devolvê-lo ao socializante: a bibliografia se estabelece como uma ciência desde o século XVIII, como aponta Peter Burke (2003), e sua pele em caracteres e silêncios brancos, ou seja, seu significante, é, a partir daí, encoberto por uma névoa de conceituações e hierarquizações que escondem o termo, maculam a noção e implodem o conceito, sem nunca deixar de revelar sua onipresença.

O processo de “velamento” da Bibliografia pode ser visto, pela primeira vez, pontualmente, em Gabriel Peignot (1802a,b), que submete o termo ao conceito geral de Bibliologia, lançando, deste modo, uma visão hierárquica que determina que a última se apresenta como “a ciência” e ela, a Bibliografia, responde por uma teoria geral do pensamento bibliológico.

O movimento epistemológico peignotiano é precisamente o mesmo realizado por Paul Otlet (1934), mais de cem anos depois. O projeto de Otlet e Henri La Fontaine nasce, cresce e se estabelece sob a noção de bibliografia, mas perece sob o termo documentação. Em outras palavras, o Instituto Internacional de Paul Otlet “é de Bibliografia” e assim sistematiza um dos mais ousados projetos mundiais de organização de continentes e de conteúdo. Além do Instituto, seu principal projeto, é também “de bibliografia”: o Repertório Bibliográfico Universal responde por uma missão mundial focada na bibliografia estatística, que poderia servir como base para uma bibliografia textual.

A geração posterior que se constituirá sob o conceito de bibliografia no pensamento francês, a geração de Robert Estivals, também partirá do mesmo pressuposto: a Bibliologia é tomada como ciência, enquanto os termos orientados para as aplicações do pensamento bibliológico receberão a noção de bibliografia e seus desdobramentos predicativos, como classificação bibliográfica e lista bibliográfica.

Tais ocorrências “canônicas” do uso de termo bibliografia repercutem nas mais variadas direções. Importando-nos aqui a construção epistemológica da noção para compreender as potências presentes no conceito, recorremos àquele que se apresenta com o um dos sintomas de manifestação mais fundamentais: quando Jesse Shera e Margaret Egan, em 1952, propõem uma construção social do campo biblioteconômico nos Estados Unidos, é sob o conceito de bibliografia que estabelecem sua argumentação.

Deste modo, não é sob a rubrica da Library Science, macro-denominação, que se consolida uma visão de mundo da revolucionária “epistemologia social”, mas sob uma certa Bibliography. Em Foundations of a theory of bibliography apresenta-se uma crítica cognitivo-social ao pensamento biblioteconômico, mas ao mesmo tempo, simbólico-material, que antecipa uma série de discussões futuras, principalmente dos anos 1990, sob o caráter social dos estudos informacionais.

Algumas fontes

ACHUTTI, Luiz Eduardo Robinson. Fotoetnografia da biblioteca jardim. Porto Alegre: ed. da UFRGS, 1997.

ARAÚJO, André Vieira de Freitas. Pioneirismo bibliográfico em um polímeta do Séc. XVI: Conrad Gesner. Informação & Informação, [S.l.], v. 20, n. 2, maio/ago. 2015. ISSN 1981-8920. [Número Temático: I Seminário Internacional "A Arte da Bibliografia: ferramentas históricas, problemas metodológicos e práticas contemporâneas"]. Disponível em: <http:www.uel.br/revistas/informacao/>. Acesso em: 15 ago. 2015.

BLANCHOT, Maurice. O livro por vir. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

BOAS, Franz. Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

CALIL JÚNIOR, Alberto. Uma etnografia do mundo espírita virtual: algumas aproximações metodológicas. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, Porto Alegre, ano 10, n. 10, p. 117-136, outubro de 2008.

CURTIUS, Ernst Robert. Literatura europeia e Idade Média latina. São Paulo: Edusp, 2013.

DEBRAY, Régis. Prefácio à edição francesa. In: MELOT, Michel. Livro,. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2012. p. 15-18.

MALINOWSKI, Bronislaw K. Argonautas do Pacífico ocidental: um relato do empreendimento e da aventura dos nativos nos arquipélagos da Nova Guiné melanésia. São Paulo: Abril Cultural, 1978.

MALLARMÉ, Stéphane. Divagações. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2010.

MARTELETO, R. M. 'Lugares de Signos' e contextos de informação: A Biblioteca como metáfora dos conhecimentos modernos. Revista de Biblioteconomia de Brasília, Brasília, v. 20, n.20, p. 241-246, 1996.

MAUSS, Marcel. Manuel d’ethnographie. Paris: Éditions Payol, 2007.

MELOT, Michel. Livro,. Cotia (SP): Ateliê Editorial, 2012.

OTLET, Paul. El Tratado de documentación: el livro sobre el livro: teoría y práctica. Tradução de María Dolores Ayuso García. Murcia: Universidad de Murcia, 1996.

SALDANHA, G. S.; ELIAS JUNIOR, Alberto Calil . Etnobibliografia: entre as hipóteses mallarmaico-blanchotiana e melottaffiniana. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Pós-Graduação em Ciência da Informação (XVI ENANCIB 2015), 2015, João Pessoa. Anais do Encontro Nacional de Pesquisa em Pós-Graduação em Ciência da Informação (XVI ENANCIB 2015). João Pessoa: UFPB, 2015. v. 1. p. 0-20.

WITTGENSTEIN, L. Investigações Filosóficas. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ