A fundamentação simbólica da Ciência da Informação

"Os fatos do acontecer são sempre simbólicos, pois o acontecer é sempre símbolo das leis universais que o homem, bem ou mal, capta; são símbolos da lei da alternância, são símbolos, afinal, do cósmico, com o qual, teológica e religiosamente, as religiões constroem a sua simbólica." (SANTOS, 2007, p. 148)

Entre os dias 03 e 07 de junho de 2015, na Áustria, realizou-se o 4º ISIS Summit Vienna 2015 – The information society at the crossroads: response and responsibility of the Sciences of Information.

Na ocasião, Rafael Capurro (2015) reafirmou o decurso filológico-filosófico de sua argumentação filosófica, reencontrou Aristóteles e os desdobramentos de seu De anima, o mesmo filósofo quem “visitara” em 1992 para afirmar ser a Ciência da Informação uma subdisciplina da Retórica e postular a relevância dos elementos do modelo hermenêutico para os estudos informacionais.

Explorando o contexto uma abordagem interpretativa, o ponto de inflexão de Capurro (2015) nos conduz ao jogo de destituição do valor ontológico da informação entre Antiguidade e Medievo, para um certo “diálogo filosófico intercultural”.

Apresentada em Viena, a atual proposta hermenêutica de Capurro (2015) – sua information as hermeneutic as – nos remete ao desafio cassireriano da passagem de uma “crítica da razão” para uma “crítica da cultura”. Trata-se de um modo de abordar a os estudos informacionais como fruto de constantes processos interpretativos.

E como podemos, historicamente, reconhecer esta questão hermenêutica quando apontamos para a construção de uma racionalidade pós-bibliográfica, tratada como informacional, dada entre o século XIX de Peignot-Otlet e o século XX de Otlet-Shera? Uma certa “racionalidade informacional” afirma-se constituir-se em meados do Novecentos, trazendo em sua bagagem a unidade do objeto informação como marca sua “verdade”, o onto a conhecer.

Esta racionalidade demonstra-se condicionada, a partir de Otlet (1934), ao julgo de regularidades, mas ao mesmo tempo, desde Peignot (1802a,b), influência determinante no pensamento otletiano tanto no ponto de vista epistemológico quanto no ponto de vista geopolítico, as margens de um culturalismo vasto e crítico se apresenta, colocando em debate o “político” e o “social” a partir dos artefatos simbólicos e sua vivência.

O jogo, jamais linear, anti-paradigmático, da epistemologia histórica da Ciência da Informação (CI), nos leva à possibilidade de repensar uma crítica da razão informacional também como uma crítica da cultura da racionalidade, bem como reconhecer e refletir uma crítica da cultura, no terreno do simbólico, dentro do contexto atual dos estudos informacionais.

A possível crítica da cultura no escopo da epistemologia da CI nos remete, ainda, a um dos pressupostos neodocumentalistas (provavelmente o seu principal argumento): a condição de uma materialidade expressa quando da construção da noção de informação dentro das distintas comunidades discursivas da CI. Seja advindo de um ponto de vista sociológico, seja quando oriundo de viés administrativo, seja fundado em uma estrutura tecnológica, a condicionante materialista se apresenta como forma e manifestação simbólicas.

Algumas fontes

ARISTÓTELES. Órganon: Categorias, Da interpretação, Analíticos anteriores, Analíticos posteriores, Tópicos, Refutações sofísticas. Bauru (SP): EDIPRO, 2010.

BUCKLAND, M. K. Information as thing. Journal of the American Society of Information Science, v. 42, n. 5, p. 351-360, jun. 1991.

CAPURRO, Rafael. Translating Information. In: ISIS SUMMIT VIENNA 2015. 4. 2015. Viena: Universidade de Viena, 2015. Disponível em: < http://sciforum.net/conference/isis-summit-vienna-2015/paper/2972>. Acesso em: 10 jul. 2015.

CAPURRO, R. What is Information Science for? a philosophical reflection In: VAKKARI, P.; CRONIN, B. (Ed.). Conceptions of Library and Information Science; historical, empirical and theoretical perspectives. In: INTERNATIONAL CONFERENCE FOR THE CELEBRATION OF 20TH ANNIVERSARY OF THE DEPARTMENT OF INFORMATION STUDIES, UNIVERSITY OF TAMPERE, FINLAND.1991. Proceedings... London, Los Angeles: TaylorGraham,1992. p. 82-96.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas; Terceira parte: Fenomenologia do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

CASSIRER, Ernst. Ensaio sobre o homem: introdução a uma filosofia da cultura humana. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas; Segunda Parte: O pensamento mítico. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas; Primeira parte: A linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

DAY, R. Poststructuralism and information studies. Annual review of information scicence and technology (ARIST), v. 39, p. 575-609, 2005.

ESTIVALS, Robert. Theorie lexicale de la schematisation. Schéma et schématisation: revue de schématologie et de bibliologie, n. 52, p. 5-72, 2000.

ESTIVALS, Robert. Le schématisme. Noyers-sur-serein (França): Société de Schématologie et de Bibliologie, 2002.

ECO, Umberto. Semiótica e filosofia da linguagem. Lisboa: Instituto Piaget, 1984.

GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M.N. Informação como instância de integração de conhecimentos, meios e linguagens: questões epistemológicas, consequências políticas. GONZÁLEZ DE GÓMEZ, M. N.; ORRICO, E. G. D. (Orgs). Políticas de memória e informação: reflexos na organização do conhecimento. Natal: EdUFRN, 2006. p. 29-84.

FROHMANN, Bernd. The power of images: a discourse of images: a discourse analysis of cognitive viewpoint. Journal of Documentation, v. 48, n. 4, p. 365-386, 1992

OTLET, Paul. Traité de documenatation: le livre sur le livre: théorie et pratique. Bruxelas: Editiones Mundaneum, 1934.

PEIGNOT, G. Dictionnaire raisonné de bibliologie, tomo I. Paris: Chez Villier, 1802a.

PEIGNOT, G. Dictionnaire raisonné de bibliologie, tomo II. Paris: Chez Villier, 1802b.

RENDÓN ROJAS, M. A. Un Análisis filosófico de la Bibliotecología. Investigación Bibliotecológica, v. 10, n. 20, p. 9-15, jan./jun. 1996.

SALDANHA, Gustavo S. Epistemologia da Ciência da Informação e o arquidevir simbólico: das notas cassirerianas à constituição simbólica dos estudos informacionais. In: Encontro Nacional de Pesquisa em Pós-Graduação em Ciência da Informação (XVI ENANCIB 2015), 2015, João Pessoa. Encontro Nacional de Pesquisa em Pós-Graduação em Ciência da Informação (XVI ENANCIB 2015). João Pessoa: UFPB, 2015. v. 1. p. 0-20.

SANTOS, Mário Ferreira dos. Tratado de simbólica. São Paulo: É Realizações, 2007.

SHERA, Jesse. Epistemologia social, semântica geral e Biblioteconomia. Ci. Inf., Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 9-12, 1977.

SHERA, Jesse. Toward a theory of librarianship and information science. Ci Inf., v. 2, n. 2, p. 87-97, 1973.

TODOROV, Tzvetan. Simbolismo e interpretação. São Paulo: Editora UNESP, 2014.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ