Epistemologia crítica: da tentativa de invenção a-social de uma Library and Information Science

As transformações no ensino da Biblioteconomia no Brasil ganharam uma influência cada vez mais intensiva do pensamento anglo-americano após os anos 1960. A partir dali, multiplica-se o afastamento de uma crítica social então crescente, via um liberalismo humanista, que possuía Jesse Shera (1977) e seu conceito de epistemologia social, estabelecido junto de Margaret Egan nos anos 1950, como uma das forças refratárias a um tecnicismo acrítico.

As transformações do pensamento biblioteconômico nesse contexto, principalmente a partir do discurso estadunidense, são demarcadas por um foco mecanicista claro.

Nesse cenário, não apenas Shera é “apagado” (pelo menos, o ponto de vista social de sua crítica epistemológica), junto da produção histórica das pesquisas de fundo social do pensamento biblioteconômico da Escola de Chicago, como também possíveis outras fontes capazes de aprofundar o discurso sobre os dilemas sociais e as opressões, como é o caso de uma teoria do meio social desenvolvida no início do século XX, voltada para a reflexão de bibliotecários e leitores a partir do pensamento russo, com Nicolas Roubakine (1998a,b).

O resultado dessa movimentação tratada por Day (2005) como estruturada em uma irônica metáfora do canal (ou seja, o mecanicismo de uma teoria matemática da comunicação), é a marca de um pensamento neoliberal no contexto de formação de uma pretensa episteme distinta para os estudos informacionais.

O impacto desse movimento anglo-americano e sua influência internacional imediata, dada a hegemonia econômica dos Estados Unidos no contexto, é tratado por Solange Mostafa (1985) a partir de duas categorias, a saber: o liberalismo cientificista e o liberalismo profissional.

Algumas fontes

ALMEIDA, N. B. F. de. Biblioteconomia no Brasil: análise dos fatos históricos da criação e do desenvolvimento do ensino. 160 f., 2012. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Brasília; Faculdade de Ciência da Informação (FCI), Brasília (DF), 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução nº 1, de 17 de julho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações ÉtnicoRaciais

e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de junho de 2004, Seção 1, p. 11.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A Construção Social da Realidade: tratado de sociologia do conhecimento, trad. Floriano Fernandes, 4ª ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1978.

BOTTENTUIT, A; CASTRO, C. Movimento Fundador da Biblioteconomia no Maranhão. São Luís: Impresa Universitária, 2000.

BRASIL. Câmara dos Deputados. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 5. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara Superior de Educação. Parecer CNE/CES nº 492, de 3 de abril de 2001. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2001a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara Superior de Educação. Parecer CNE/CES nº 1.363, de 12 de dezembro de 2001. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2001b.

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 10.639/03, de 09 de janeiro de 2003. Brasília (DF), 2003.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. CNE/CP Resolução 01/2004. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de junho de 2004, Seção 1, p. 11. 2004a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer N.º CNE/CP 003/2004, de 19 de Maio de 2004. Diário Oficial da União, Brasília(DF), 2004b.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Diário Oficial da União, Brasília(DF), 2008.

CARDOSO, F. do C. O negro na biblioteca: medicação da informação para a construção da identidade negra. Curitiba: CRV, 2015. 114 p.

CARDOSO, L. O branco “invisível”: um estudo sobre a emergência da branquitude nas pesquisas sobre as relações raciais no Brasil (1957-2007). (Dissertação de mestrado) – Universidade de Coimbra, Faculdade de Economia e Centro de Estudos Sociais, 2008.

CARDOSO, L. O Branco-Objeto: o Movimento Negro situando a Branquitude. Instrumento: Revista de Estudo e Pesquisa em Educação. Juiz de Fora, v. 13, n. 1, jan./jun. 2011.

DAY, R. Poststructuralism and information studies. Annual review of information scicence social and technology (ARIST), v. 39, p. 575-609, 2005.

DAY, R. The Modern invention of information: discourse, history and power. Illinois: Southern Illinois University Press, 2001.

DOMINGUES, P. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo. 2007, v. 12, n. 23, p.100-122.

ESTIVALS, R. A Dialética contraditória e complementar do escrito e do documento. R. Esc. Bibliotecon. UFMG, Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 121-152, set. 1981.

FANON, F. Peles Negras, Máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FONSECA, M. V. A educação dos negros: uma nova face do processo de abolição da escravidão no Brasil. Bragança Paulista: ESUSF, 2002.

FROHMANN, B. Documentation redux: prolegomenon to (another) philosophy of information. Library Trends, v. 52, n. 3, p. 387-407, win. 2004.

FROHMANN, B. Rules of indexing: a critique of mentalism in information retrieval theory. Journal of Documentation, v. 46, n. 2, jun. 1990.

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio. Epistemología de la Documentación. Barcelona: Stonberg Editorial, 2011.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA; D. T. (Org.) Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. 120 p.

GORDON, L. Prefácio. In: FANON, F. Peles Negras, Máscaras brancas. Tradução de Renato da

Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

GUIMARÃES, A. S. A. A questão racial na política brasileira (os últimos quinze anos). Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, 13 (2): 121-142, novembro de 2001.

FERREIRA, M. L. A. G.; CALDEIRA, P. da T.; BAHIA, M. A.; ARAÚJO, M. E. B. Currículo Mínimo de Biblioteconomia. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p. 92-99, mar. 1977.

LEFREVE, A. M. C.; CRESTANA, M. F.; CORNETTA, V. K. A utilização da metodologia do discurso do sujeito coletivo na avaliação qualitativa dos cursos de especialização “Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos em Saúde-CADRHU”, São Paulo – 2002. Saúde e Sociedade, v. 12, n. 2, p. 68-75, Jul./Dez., 2003.

LEFREVE, F.; LEFREVE, A. M. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Liber Livro Editora, 2005. 97 p.

MOSCOVICI, S. Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. Trad. Pedrinho A. Guareschi. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. 404 p.

MOSTAFA, S. P. Epistemologia da Biblioteconomia. 1985. 147 f. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1985.

PASSOS, J. C. As Relações Étnico-Raciais nas Licenciaturas: O que dizem os Currículos Anunciados. Poiésis, Tubarão. v.8, n.13, p. 172 - 188, Jan/Jun, 2014a.

PASSOS, J. C. dos P. Juventude Negra: escolarização e herança das desigualdades no Brasil Contemporâneo. In: SCHERER-WARREN, Ilse; PASSOS, Joana Célia dos Passos (Orgs.). Relações Étnico-Raciais nas Universidades: os controversos caminhos da inclusão. Florianópolis: Atilènde, 2014b. 148 p.

PEREIRA, A. A. O “Atlântico Negro” e a constituição do Movimento Negro Contemporâneo. Perseu, n. 1, v. 1, 2007.

RAMOS, A. G. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Andes. 1957.

RAYWARD, W.B. The History and historiography of information science: some reflections. Information and Management, v. 32, n. 1, p. 3-17, 1996.

ROUBAKINE, N. Introduction a la psychologie bibliologique; v.1 Paris: Association Internacionale de Bibliologie, 1998a.

ROUBAKINE, N. Introduction a la psychologie bibliologique; v.2. Paris: Association Internacionale de Bibliologie, 1998b.

SANTOS, J. P. Reflexões sobre Currículo e Legislação na área da Biblioteconomia. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 3, n. 6, 1998.

SCHUCMAN, L. V. Entre o Encardido o Branco e o Branquíssimo: Branquitude Hierarquia e Poder na Cidade de São Paulo. 1. ed. São Paulo: Annablume, 2014. v. 1. 191 p.

SHERA, J. H. Epistemologia Social, semântica geral e biblioteconomia. Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 9-12, 1977.

SILVA, L. K. R. da; AQUINO, M. de A. Bamidelê: por uma Sociologia da Informação Étnico-Racial na organização das Mulheres Negras da Paraíba. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, João Pessoa, v. 8, n. 1, p. 001-010, 2013.

SILVA, F. C. G. da. A inserção da temática Africana e Afro-brasileira no ensino de Biblioteconomia da Universidade do Estado de Santa Catarina. 2016. 164 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

SILVA, Franciéle C. G. da; PIZARRO, Daniella C.; SALDANHA, Gustavo S. As temáticas Africana e Afro-Brasileira em Biblioteconomia e Ciência da Informação. In.: Anais do XVIII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO (XVIII ENANCIB). Marília (SP), 2017.

SOUZA, F. das C. de. O Modelo Educacional e seu Impacto sobre a Dimensão Pedagógica da Ciência da Informação. Em Questão, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 123-142, jan./jun. 2004

SOVIK, L. Aqui ninguém é branco: hegemonia branca no Brasil. In: WARE, V. (Org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond. 2004.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ