Classificação crítica, dança e o feminino

[Notas sobre a dança indígena na organização do conhecimento: críticas da linguagem na representação do feminino]

Como problematizar os processos de representação das culturas indígenas nos tradicionais sistemas de organização do conhecimento? Como lutar contra a linguagem arbitrária dentro das linguagens documentárias dadas?

Lala Hajibayova, da Kent State University, do Estado de Ohio, nos Estados Unidos, e Wayne Buente, da University of Hawai’i at Mānoa, Honolulu, se propõem exatamente compreender a possibilidade de representação da dança Hula da tribo Kanaka Maoli do Havaí. O percurso passa, pois, pelo reconhecimento dos atuais vocabulários controlados que abordam a cultura havaiana. A crítica da linguagem atravessa o plano empírico o Classificação Decimal Universal, os cabeçalhos de assunto da Library of Congress, e os sistemas de índices de citação da base de dados Web of Science em Ciências Sociais, Arte e Humanidades.

Sobre a dança Hula, trata-se de uma expressão típica da cultural havaiana, apropriada pelo ocidente estadunidense apenas pelo caráter erotizado com foco no corpo feminimo. A financeirização da expressão cultural transformou tal expressão em uma distorção de seus fundamentos metafísicos para fins de turismo. A mercantilização deturpou a essência cultural da dança, produzindo uma falsa representação da Hula e das mulheres havaianas. A comercialização do corpo feminino se tornou a marca da distorção dos sentidos.

Na travessia metodológica dos autores registra-se, pois, uma necessária construção da crítica da linguagem a partir do preconceito e do desvio de sentidos da cultura havaiana. As fontes críticas do pensamento dos autores passam, estruturalmente, pelas visões de Holpe Olson. A autora permite adentrar o universo da arbitrariedade econômico-política da organização do conhecimento, o jogo de poder na representação temáticas de artefatos e de sujeitos. Tem-se aqui um conjunto sólido de críticas aos sistemas tradicionais de organização e representação do conhecimento, com a elucidação das tendências hegemônicas e da marginalização.

Tal referencial teórico que funda uma das mais fortes teorias críticas do domínio podem ser encontramos em:

  • Olson, H. and Schlegl, R. (2001), “Standardization, objectivity, and user focus: a meta-analysis of subject access critiques”, Cataloging & Classification Quarterly, Vol. 32 No. 2, pp. 61-80.

  • Olson, H.A. (1998), “Mapping beyond Dewey’s boundaries: constructing classificatory space for marginalized knowledge domains”, Library Trends, Vol. 47 No. 2, pp. 233-254.

  • Olson, H.A. (2001), “Sameness and difference: a cultural foundation of classification”, Library Resources & Technical Services, Vol. 45 No. 3, pp. 115-122.

  • Olson, H.A. (2002), The Power to Name: Locating the Limits of Subject Representation in Libraries, Kluwer Academic Publishers, Dordrecht.

  • Olson, H.A. (2007), “How we construct subjects: a feminist analysis”, Library Trends, Vol. 56 No. 2, pp. 509-541.

  • Olson, H.A. and Ward, D.B. (1997), “Ghettoes and diaspora in classification: communication across the limits”, in Frohmann, B. (Ed.), Proceedings of the 25th Annual Conference of Canadian Association for Information Science, in Newfoundland, Canada, Canadian Association for Information Science, Toronto, pp. 12-31.

  • Olson, H.A. (2000), “Difference, culture and change: the untapped potential of LCSH”, Cataloging & Classification Quarterly, Vol. 29 Nos 1/2, pp. 53-71.

Outra fonte importante da argumentação está no diálogo de D. C. Blair sob o papel de uma filosofia da linguagem por trás de toda a produção teórica de uma epistemologia da organização do conhecimento. A partir de Blair, os autores “encontram” Saussure e Wittgenstein como fontes filosóficas nevrálgicas para a compreensão do papel do poder da linguagem como opressão e-ou como libertação na experiência do domínio.

O estudo de Hajibayova e Buente (2017) coloca, pois, a necessidade de uma perspectiva cultural e local do conhecimento nas práticas de organização do conhecimento a partir da população investigada, ou seja, da visão sobre comunidades indígenas. A defesa crítica dos autores aponta par um método “descolonizador” (decolonizing) como estruturas alternativas. Neste sentido, pode-se inferir claramente, apesar da aproximação não ser enunciada na discussão, um “diálogo” com a teoria crítica da desclassificação do teórico espanhol Antonio García Gutierrez.

O ponto de vista do pensamento dos autores demonstra que o movimento crítico a partir da amostra da herança cultural do Havaí sob as lentes da organização do conhecimento nos leva até a possibilidade de compreender a própria epistemologia da sociedade nativa havaiana.

Referência

HAJIBAYOVA, Lala; BUENTE, Wayne. Representation of indigenous cultures: considering the Hawaiian hula. Journal of Documentation, v. 73, n. 6, p. 1137-1148, 2017.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ