Lugares e egométricas: outros eus

Metaolhares sobre um certo domínio no espelho

O estudo dos loci epistêmicos está inserido nas discussões acerca do meio acadêmico e científico, sobre a existência e o espaço onde os discursos sobre as teorias, os modelos, os métodos e as técnicas se encontram, em aproximação ou em distanciamento.

Historicamente, a Organização do Conhecimento, como uma gnosologia específica na árvore geral dos saberes, construiu egométricas - medidas de si - como metodologias para se autoconhecer. A linha analítica procurou demarcar o desenvolvimento do próprio domínio epistêmico em questão.

Seja pelo intuito de compreender o desenvolvimento e o direcionamento da ciência, seja pelo que podemos nomear de propósito intelectual de determinar a natureza e o escopo do conhecimento humano, seja pela necessidade de representação das dinâmicas sociais e culturais das práticas científicas. Essas necessidades sempre existirão por diversas razões que fundamentam a tentativa de dissecar, examinar e entender a verdadeira dinâmica e proporção de uma ciência. Ou seja, estamos aqui no plano epistemológico, propriamente dito.

Etimologicamente, “epistemologia” significa discurso (logos) sobre a ciência (episteme), que consiste no segmento da filosofia que investiga a natureza e a origem do conhecimento. De acordo com Tesser (1995, p.92) sua tarefa principal consiste “na reconstrução racional do conhecimento científico, conhecer, analisar, todo o processo gnosiológico da ciência”. Ainda nas palavras do autor, podemos descrever que ambicionamos traçar um “estudo metódico e reflexivo do saber, de sua organização, de sua formação, de seu desenvolvimento, de seu funcionamento e de seus produtos intelectuais” (TESSER, 1995, p.92).

O que podemos extrair do significado desse conceito para a discussão de uma teoria do conhecimento para a própria organização de tal conhecimento espelhado em uma materialidade é a percepção de um estudo crítico dos princípios, das hipóteses e dos resultados de uma determinada ciência ou de parte de seus coletivos de produção científica reunidos sobre macroconceitos, a saber, os coletivos em organização do conhecimento e seus resultados investigativos. Especificamente, procuramos compreender o escopo de discursos concentrados sob a noção de “organização do conhecimento”.

A Organização do Conhecimento é abordada, assim, como um coletivo de pesquisadores, de abordagens e de conceitos dispersos em e construtores de "lugares de fala", coletivo tal que apresenta ainda bastante divergência no que concerne seu corpus de atuação prática, sua rede teórica de autores e sua teia de conceitos e definições.

A descrição do percurso e desenvolvimento da Organização do Conhecimento como um coletivo acadêmico-científico traz à tona as questões epistemológicas sobre seus loci de práticas e saberes que está, no fundo, a construir permanentemente métodos e técnicas para analisar a si próprio, antes do outro. Sob essa perspectiva, em diálogo com as próprias teorias da própria Organização do Conhecimento, em um plano metametodológico, podemos conhecer o itinerário das ideias de um domínio a partir de suas próprias discursividades, ou seus lugares de encontro-desencontro.

REFERÊNCIA

ALMEIDA, T.; SALDANHA, G. S. Entre a abordagem analítica e os loci epistêmicos: um debate metametodológico para a organização do conhecimento In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 2017, Marília. Anais do XVIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Marília: PPGCI UNESP, 2017. p.1 - 20.

Outras fontes

BARITÉ, Mario et al. Garantia literária: elementos para uma revisão crítica após um século. Transinformação, Campinas, v. 22, n. 2, 2010.

BARTHES, Roland. A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CAFÉ, Lígia Maria Arruda; BRATFISCH, Aline. Classificação analítico-sintética: reflexões teóricas e aplicações.Transinformação, Campinas, v. 19, n. 3, 2007.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Linguagem documentária: teorias que fundamentam sua elaboração. Niterói: EdUFF, 2001.

CAPURRO, R. What is Information Science for? a philosophical reflection In: VAKKARI, P.; CRONIN, B. (Ed.). Conceptions of Library and Information Science; historical, empirical and theoretical perspectives. In: International conference for the celebration of 20th anniversary of the department of information studies, University of Tampere, Finland.1991. Proceedings... London, Los Angeles: TaylorGraham,1992. p. 82-96.

CAVALCANTE, Raphael da Silva; BRÄSCHER, Marisa. Taxonomias navegacionais em sítios de comércio eletrônico: critérios para avaliação. Transinformação, Campinas, v. 26, n. 2, 2014.

DAHLBERG, I. Conceptual definitions for interconcept. International Classification, v. 8, n. 1, p. 16-22, 1981.

_____. Knowledge Organization: a new Science? Knowledge Organization.v. 33, n.1, p.11-19, 2006.

_____. Knowledge organization: its scope and possibilities. Knowledge Organization, v. 20, n. 4. p.211-222, 1993.

_____ I. A Referent-oriented analytical concept theory of interconcept. International Classification, Frankfurt, v.5, n.3, p.142-150, 1978.

_____. Terminological definitions: characteristics and demands. In: Problèmes de la définition et de la synonymie en terminologie. Québec, GIRSTERM, 1983. p. 13-51.

ECO, Umberto. Semiótica e Filosofia da Linguagem. Lisboa: Instistuto Piaget, 2001.

Folksonomia: esquema de representação do conhecimento? Mariana Brandt; Marisa Brascher; Basílio Medeiros.Transinformação, Campinas, v. 22, n. 2, 2010.

FOUCAULT, M. As Palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FREITAS, Juliana Lazzarotto; NASCIMENTO, Bruna Silva do; BUFREM, Leilah Santiago. A organização do conhecimento na dinâmica da pesquisa em artigos da literatura científica da Brapci. Transinformação, Campinas, v. 26, n.3, 2014.

FUJITA, Mariângela S. L. Organização e representação do conhecimento no Brasil: análise de aspectos conceituais e da produção científica do Enancib no período de 2005 a 2007. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 1, n. 1, p. 1-32, 2008. Disponível em: <http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/v/a/7781>. Acesso em: 28 fev. 2017.

FUJITA, Mariângela Spotti Lopes; SANTOS, Luciana Beatriz Piovezan dos. Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico e analítico com pesquisa participante. Transinformação, Campinas, v. 28, n. 1,2016

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio. Epistemología de la Documentación. Barcelona: Stonberg Editorial, 2011.

GARCÍA GUTIÉRREZ , Antonio. Cientificamente favelados: uma visão crítica do conhecimento a partir da epistemografia. Transinformação, Campinas, v. 18, n. 2, 2006.

HJORLAND, B. What is Knowledge Organization (KO)? Knowledge Organization, v.35, n. 2-3, p. 86-101, 2008.

KOBASHI, Nair Yumiko; SANTOS, Raimundo Nonato Macedo dos. Institucionalização da pesquisa científica no Brasil:cartografia temática e de redes sociaispor meio de técnicas bibliométricas. Transinformação, Campinas, v. 18, n. 1, 2006.

NIETZSCHE, F. Da retórica. 2..ed. Lisboa: Vega, 1999.

TESSER, Gelson João. Principais linhas epistemológicas contemporâneas. Revista Educar, Curitiba, n. 10, dez.1994, p. 91-98. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40601994000100012&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 mar. 2017.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ