De Bourdieu à Zubiri

Olhares sobre e caminhos do campo científico...

A proposta teórica de Bourdieu apresenta uma sociologia da sociologia e uma superação do teoricismo e metodologismo dessa mesma sociologia, assim como das visões filosóficas que se tomam como perspectivas a-históricas e a-sociais (BOURDIEU, 1983, 2004; GUERRERO ANAYA, 2006).

Para Marteleto e Saldanha (2016, p. 82) Pierre Bourdieu tece uma crítica às “sociofilosofias” por estas serem “incapazes de analisar um campo objetivo de práticas sociais”. Desse modo, “acabam por projetar intuições e prescrições filosóficas sobre o que consideram ser o ‘social’, ou no caso, o ‘informacional’, sem que este se constitua propriamente um objeto de estudo”. Isso acabaria criando discursos herméticos desconectados com o mundo concreto das práticas.

Guerrero Anaya (2006, p. 18-19) argumenta que, em Bourdieu, a crítica epistemológica vem sempre acompanhada de crítica social. A sociologia da ciência, enquanto uma sociologia do sistema e do mundo intelectual, serve como um instrumento que, mobilizando as conquistas científicas contra a própria ciência, permite despojá-la de seus prejuízos e equívocos. Nesse sentido ela é “primordial para descobrir as categorias que delimitam o pensável e predeterminam o pensado” (Anaya, 2006, p. 19).

Sem afirmar que a razão e as verdades cientificas se reduzem a história, mas indicando que a sua compreensão deve ser abordada historicamente, uma vez que as condições históricas de aparição das formas sociais tornam possível a produção da verdade, Bourdieu, aponta que esta verdade é “antes de tudo um compromisso que surge das lutas e interrelações de atores que se confrontam em um campo” (BOURDIEU, 1988, p. 41-42 apud GUERRERO ANAYA, 2006, p. 19).

Dessa forma as ciências sociais são para Bourdieu, um conhecimento do conhecimento (BOURDIEU;WACQUANT,1992. p. 127 apud GILBERT GALASSI, 2015) nas quais a metodologia a ser empregada é de apreender a pesquisa como uma atividade racional, cujo “fundamento mais importante, [...] diz respeito à quebra de doutrinas” (SCARTEZINI, 2011, P. 33). Para se fazer ciência, será necessário “[...] evitar as aparências da cientificidade, contradizer mesmo as normas em vigor e desafiar os critérios correntes do rigor científico. ” (BOURDIEU, 2002, p.42).

Scartezini (2011, p. 28), dessa forma, na linha de Bourdieu, aponta que ao escolher o objeto de pesquisa, deve-se partir da capacidade de colocar em jogo as “verdades cientificamente aceitas”, uma vez que estas que dizem respeito muito mais às “lutas pelo poder do campo científico do que a verdades e\ou inovações científicas”. Assim, é imperativo, seguindo a proposta de Bourdieu, que se procure, antes de desvendar o objeto a ser analisado, desvendar-nos e compreendermo-nos enquanto cientistas, e, em sequência, desvendar e compreender o próprio meio científico no qual o cientista se insere (SCARTEZINI, 2011, P. 28).

Desse modo, é imprescindível para o cientista, além de construir o objeto como um “sistema coerente de relações”, pô-lo “a prova como tal”. Ele deve “ter uma postura ativa e sistemática”, pois quando percebe as “particularidades do objeto” pode “encontrar as características invariantes e assim compreender aquilo que ele possui como generalidade”. Esse processo não só constituiria as “[...] leis gerais tão caras aos homens de ciência”, como seria em essência o ensejo da atuação intelectual” (SCARTEZINI, 2011, p.28).

E é nesse ponto que a perspectiva do autor, enquanto um reflexividade sócio-crítica, se une a Zubiri, justamente pelo seu ensejo de, não só pôr em evidência a situação intelectual do homem contemporâneo, como de buscar uma reflexão sobre os fundamentos que justifiquem essa situação ou posição.

REFERÊNCIA

SANTOS, A. T. C. ; Miguez, G. . A Ciência da Informação enquanto ciência social interdisciplinar: as contribuições de Zubiri e Bourdieu. In: Elaine Rosangela de Oliveira Lucas, Murilo Artur Araújo da Silveira. (Org.). A Ciência da informação encontra Pierre Bourdieu. 1ed.Recife: Editora Universitária UFPE, 2017, v. , p. 439-454.

Outras fontes

ARAÚJO, Carlos Alberto A. A ciência da informação como ciência social. Ciência da informação, Brasília, v. 32, n. 3, p. 21-27, 2003.

_____. O que é Ciência da Informação?. Informação & Informação, v. 19, n. 1, p. 01-30, 2013.

BALLESTA, Pedro Abellán La Dedicación del Hombre a la Vida Intelectual Revista Portuguesa de Filosofia T. 69, Fasc. 1 (2013), pp. 165-180

BORKO, Harold. Information science: what is it? American Documentation, Washington, v. 19, n. 1, p. 3-5, jan. 1968.

BOURDIEU, Pierre. O campo científico. In: ORTIZ, Renato. Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, p. 122-155, 1983.

____. Cosas dichas. Barcelona: Gedisa, 1988

_____. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Russel, 2002.

_____. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia do campo científico. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

_____. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Ed. da UNESP, 2004.

_____; WACQUANT, Louis. An invitation to reflexive sociology. Chicago: The University of Chicago Press, 1992.

_____; _____. Una invitación a la sociología reflexiva. Siglo XXI Editores, 2005.

BORKO, Harold. Information science: what is it? American Documentation,Washington, v. 19, n. 1, p. 3-5, jan. 1968.

CAPURRO, Rafael. Epistemologia e ciência da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, BeloHorizonte. Anais... Belo Horizonte: Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduaçãoem Ciência da Informação, 2003.

_____. Pasado, presente y futuro de la noción de información. In: ENCUENTRO INTERNACIONAL DE EXPERTOS EM TEORÍAS DE LA INFORMACIÓN, 1, 2009. Anais... Leon: Universidad de Leon, 2008.

CORRÊA, Maria Amelia Ayd. Notas sobre Bourdieu e a produção do conhecimento. Revista Vértices, 2010, v. 5, p. 33-42, 2010.

COSTOYA, Manuel Mejido. Beyond Nomological, Hermeneutic, and Dialectical Knowledge: Zubiri’s Radicalization of Scholastic Realism and the Hidden Ground of the Human-Social Sciences. The Xavier Zubiri Review, Vol. 6, 2004, pp. 61-71.Disponível em: http://www.zubiri.org/general/xzreview/2004/web/mejido_2004.pdf . Acesso em 19 set. 2014.

EGAN, Margareth E.; SHERA, Jesse H. ; Foundations of a theory of bibliography. Library Quarterly, v.22, n.2, p.125-137, 1952.

FERRAZ, Antonio. Filosofía, ciencia y realidad: apuntes zubirianos. The Xavier Zubiri Review, v. 7, 2005.

GIBERT GALASSI, Jorge. Perspectivismo y verdad en sociología: Bourdieu y Giddens. Cinta moebio, Santiago , n. 52, p. 69-78, marzo 2015 . Disponible en <http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0717-554X2015000100006&lng=es&nrm=iso>. accedido en 08 mayo 2017. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-554X2015000100006.

GONZALEZ DE GOMEZ, Maria Nélida. Para uma reflexão epistemológica acerda da Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 6, n. 1, 2001.

GUERRERO ANAYA, Luis José. Fundamento y funcionalidade de la ciência em Pierre Bourdieu y Xavier Zubiri. Jalisco, 2006. Dissertação (Mestrado em Filosfia Social) – Departamento de Filosofia e Humanidades, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente (ITESO), 2006.

MARTELETO, Regina; SALDANHA, Gustavo. Informação: qual o estatuto epistemológico? In: MORIGI, Valdir; Jacks, Nilda; GOLIN, Cida (Org.). Epistemologias, comunicação e informação. Porto Alegre: Sulina, 2016. P. 69-89

MELOGNO, Pablo. Epistemología de las ciencias de la información: una perspectiva no fundacionista. Palabra clave, Ensenada , v. 2, n. 2, p. 11-23, abr. 2013 . Disponible en <http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1853-99122013000100002&lng=es&nrm=iso>. accedido en 02 mayo 2017.

MOSTAFA, Solange Puntel. Epistemologia da Biblioteconomia. Tese (Doutorado em Educação),Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo: [s.n], 1985. 140 f.

_____. Enfoques paradigmaticos da bibliotecología: unidade na diversidad ou diversidad na unidad. Investigación Bibliotecológica, v. 10, n. 21, p. 18-21, 1996.

_____. Ciência da Informação e suas relações com outras áreas. 2005. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL. Marília, 2005. Anais... Disponível em: <https://www.marilia.unesp.br/Home/Extensao/CEDHUM/texto03.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2017.

SCARTEZINI, Natalia. Introdução ao método de Pierre Bourdieu. Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais, v. 14, 2011.

SHERA, Jesse. The Foundations of Education for Librarianship. New York: Beckerand Hayes, 1972.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ