Arcana imperii: segredo, poder e filosofia da informação

A construção das formas discursivas de governo, a condição de fundamentação de um mundo político, se dá a partir de muitos outros produtos do trivium. E no mesmo contexto de cruzamento das artes liberais, ou seja, de aplicação de lógica, gramática e retórica, reconhecemos a cidade (a política) como fundado na capacidade de construir e de reter o segredo. Chegamos, pois, aos arcana imperii, ou segredos de estado, elemento central para a invenção Estado Moderno.

Segundo os estudos de Senellart (2006), Aganbem (2008) e Catanzariti (2010), a noção de arcana imperii indica a questão das artes secretas de governar (uma imitação dos segredos da natureza a serem revelados, ou dominados, ou controlados, ou dos segredos divinos a serem revelados, ou dominados, ou ocultados). Arcana, em latim, é o plural de arcanum, ou seja, aquilo que está oculto, o segredo.

Como aponta Catanzariti (2010) existe uma relação clara entre os arcana e o poder. Trata-se do jogo dialético entre o público e o privado. Do ponto de vista desta dialética, os arcana funcionam como forma de poder sustentada pela ausência de visibilidade como uma estratégia de controle. O estudo de Senellart (2006) demonstrará como os arcana são centrais tanto no plano político quanto no plano técnico: as artes de criação de uma linguagem secreta.

Voltamos ao coração da sofística cibernética: entre Shannon, Turing e Wienner, nos anos 1940, no esplendor de um Estado Informacional clássico (então estruturado nas fontes de informação de massa), nós nos deparamos com as técnicas de criptografia, ou o desenvolvimento de uma escrita secreta para as coisas do Estado. O segredo, pois, está no coração de um dito Estado Metainformacional. Outra vez reencontramos o antropólogo Lévi-Strauss diante do líder indígena que compreende imediatamente o poder da escrita, muito antes de compreender o seu sentido.

Como aponta Paul Otlet (1934), de tempos em tempos, os governos e os homens políticos adotam linguagens criptografadas por razões inegavelmente de poder. A conhecida máquina de Turing nada mais é do que um modelo de desenvolvimento desse tipo de ferramenta, em contexto de guerra, para decifrar os códigos alemães. Os usos políticos da criptografia e seu papel no desenvolvimento do Estado Moderno são demonstrados por Senellart (2006).

A criptografia é, pois, claramente um mecanismo de poder oriundo de ferramentas do trivium. É uma ferramenta central para as dicotomias modernas entre o público e o privado. Quando dimensionada a partir das relações entre lógica, gramática e retórica após a máquina de Turing, percebemos que essa condição de segredo se coloca como um dos elementos mais diretamente relacionados às guerras contemporâneas no universo do big data.

Entretanto, a condição política dos arcana (nós poderíamos dizer, como Barbara Cassin, a condição logológica ou, ainda, a condição do trivium dentro dos arcana, ou, por fim, com Bakhtin, a condição ideológica do segredo) é a marca também da própria condição política do homem. Retomando os pressupostos aritostélicos, se esse homem político é substancialmente um homem dotado de fala, a política se estabelece sob diferentes estratagemas linguísticos dos arcana.

Referência

SALDANHA, Gustavo Silva. Trivium, arqui-segredos e pós-verdades: Dos arcana imperii ao império simbólico no estado metainformacional. International Review of Information Ethics, v. 26, p. 91-103, 2017. Disponível em: <http://www.i-r-i-e.net/current_issue.htm>. 02 abr. 2018.

Outras fontes

Agamben, Giorgio. (2008). O que resta de Auschwitz. Homo sacer III. São Paulo: Boitempo.

Aristóteles. (2005). Metafísica. São Paulo: Loyola.

Aristóteles. (1966). Poética. Porto Alegre: Editora Globo.

Aristóteles. (1991). Rhétorique. Paris: Gallimard.

Auroux, Sylvain. (1998). A filosofia da linguagem. Campinas (SP): Unicamp.

Bakhtin, Mikhail. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec.

Braman, S. (2006). Information, policy, and power in the informational state. In Change of state: Information, policy, and power, pp. 1-8. Cambridge, MA: MIT Press.

Cassin, Barbara. (2005). O Efeito sofístico. São Paulo: ed. 34.

Capurro, Rafael. (1992). What is Information Science for? a philosophical reflection In: Vakkari, P.; Cronin, B. (Ed.). Conceptions of Library and Information Science; historical, empirical and theoretical perspectives. In: International conference for the celebration of 20th anniversary of the department of information studies, University of Tampere, Finland.1991. Proceedings... London, Los Angeles: TaylorGraham. p. 82-96.

Catanzariti, Mariavittoria. (2010). New arcana imperii. Disponible in: <http://escholarship.org/uc/item/81g0030z>. Access 19 jun. 2017.

Latour, Bruno. (2002). Reflexão sobre o culto moderno dos deuses fe(i)tiches. Bauru: EDUSC.

Lévi-Strauss, Claude (1957). Tristes trópicos. São Paulo: Anhembi.

MacLuhan, Marshall. (2012). O trivium clássico: o lugar de Thomas Nashe no ensino de seu tempo. São Paulo: É Realizações.

MacLuhan, Marshall. (2017). La galaxie Gutemberg: la génèse de l’homme typographique. Paris: CNRS Éditions.

Otlet, Paul. (1934). Traité de documenatation: le livre sur le livre: théorie et pratique. Bruxelas: Editiones Mundaneum.

Platão. (1963). Crátilo: diálogo sobre a justiça dos nomes. Lisboa: Sá da Costa.

Platão. (2002). Diálogos: Protágoras, Górgias, Fedão. 2.ed. revis. Belém: Editora Universitária UFPA.

Platão. (2000). Fedro ou Da Beleza. Liboa: Guimarães Editores.

Platão. (2008). A República. 11. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Senellart, Michel (2006). As artes de governar: do regimen medieval ao conceito de governo. São Paulo: Editora 34.

Shannon, Claude. E; Weaver, Warren. (1975). A Teoria matemática da comunicação. São Paulo: DIFEL.

Wiener, Norbert. (1989). The human use of human beings: cibernetics and society. Londres: Free Association Press.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ