L. T. Rubakina: a biblioteca da mãe de Nicolas Rubakin

As reflexões sobre Nicolas Rubakin via Círculo de Estudos Rubakinianos (CERUB) continuam a todo vapor e hoje vamos falar da biblioteca da mãe do teórico russo, a Biblioteca L. T. Rubakina. Mas por que falarmos de sua biblioteca?

Sylva Simsova (1966) aponta que a influência central de Rubakin, que demarca todo o curso de seu pensamento em torno dos estudos sobre a leitura e o sujeito leitor, está na figura de sua mãe, Lidija Terent’evna Rubakina. Lidija foi uma mulher devotada aos livros e profundamente preocupada com a disseminação da educação por entre o povo russo, tendo sempre encorajado o interesse de Rubakin pela leitura. Em 1875, criou a biblioteca popular L. T. Rubakina em São Petersburgo, Rússia, na qual Nicolas Rubakin trabalhou desde os 13 anos e substituiu sua mãe como bibliotecário aos 27, assumindo toda a responsabilidade pela biblioteca. É essa experiência que o desperta para os estudos sobre os atos de leitura, inicialmente vislumbrando diferentes tipos de sujeitos leitores, com reações igualmente distintas aos materiais lidos, na biblioteca de sua mãe.


Elena Savova (1998) e Gustavo Saldanha (2019) apontam que o teórico russo transformou essa biblioteca não somente em um centro de educação e cultura, como também em um espaço de investigação científica para a leitura, ou seja, um laboratório de estudos do livro, do sujeito leitor e de seus atos de ler. Marianna Choldin (1979) afirma ainda que Rubakin transformou o espaço em uma das maiores bibliotecas particulares da Rússia. Além disso, sob a direção de Rubakin, bibliotecários e bibliotecárias da Biblioteca L. T. Rubakina compilaram uma série de guias bibliográficos, que serviram tanto como catálogo do acervo da biblioteca, bem como fontes e modelos para aquisição e catalogação, utilizados por outras bibliotecas (CHOLDIN, 1976).


Em 1937, em uma matéria publicada na revista Sol Nascente, em Portugal, José António Correia de Sousa assim se refere à mãe de Rubakin:

“Essa senhora, que soube ser mulher, em vez duma biblioteca popular em S. Petersburgo, poderia ter dirigido uma mercearia ou qualquer outro ramo de negócio, por certo de resultados materiais mais convidativos e de preocupações morais metalizadas e circunscritas à gaveta. A natureza da sua actividade, que tanto e tão decisivamente contribuiu para a formação do eminente educador [Nicolas Rubakin], tesoiro que ela testou à Humanidade, torna-a bem credora da admiração de todos nós - pelo bem que fez, pelo exemplo dado ao seu sexo.” (Correia de Sousa, Revista Sol Nascente, 1937, p. 11).

Dê uma olhada nas referências abaixo e fique ligad@ nos nossos canais de comunicação porque em breve voltamos com mais reflexões sobre Nicolas Rubakin e seus estudos sobre o livro, o sujeito leitor e a leitura.

Referências:


CHOLDIN, Marianna Tax. Mez'er, Avgusta Vladimirovna. In: KENT, Allen; LANCOUR, Harold; DAILY, Jay (ed.). Encyclopedia of Library and Information Science. New York: Marcel Dekker, Inc., 1976. v. 18.


CHOLDIN, Marianna Tax. Nikolai Aleksandrovic Rubakin. In: KENT, Allen; LANCOUR, Harold; DAILY, Jay (ed.). Encyclopedia of Library and Information Science. New York: Marcel Dekker, Inc., 1979. v. 26.


SALDANHA, Gustavo Silva. Sem e cem teorias críticas em Ciência da Informação: autorretrato da teoria social e o método da crítica nos estudos informacionais, uma bibliografia benjaminiana aberta. In: BEZERRA, Arthur Coelho; SCHNEIDER, Marco; PIMENTA, Ricardo; SALDANHA, Gustavo Silva. iKritica: estudos críticos em informação. Rio de Janeiro: Garamond, 2019. p. 171-240. Disponível em: https://www.garamond.com.br/wp-content/uploads/2020/06/iKr%C3%ADtika_Livro.pdf?thwepof_product_fields=. Acesso em: 09 fev. 2022.


SAVOVA, Elena. Avant-propos. In: ROUBAKINE, Nicolas. Introduction à la psychologie bibliologique. Paris: Association Internacionale en Bibliologie, 1998. v. 1. p. 7-18.


SIMSOVA, Sylva. Nicholas Rubakin and bibliopsychology. Libri, [s. l.], v. 16, n. 2, p. 118-129, 1966. DOI: https://doi.org/10.1515/LIBR.1966.16.2.118. Disponível em: https://www.degruyter.com/document/doi/10.1515/LIBR.1966.16.2.118/html. Acesso em: 09 fev. 2022.


SOUSA, Correia de. O Dr. Nicolau Rubakine: apóstolo da instrução. Sol Nascente: Quinzenário Cultural de Literatura e Crítica, [Coimbra], n. 15, p. 11, 15 set. 1937. Disponível em: http://ric.slhi.pt/Sol_Nascente/visualizador?id=20006.015&pag=11. Acesso em: 09 fev. 2022.


Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga