A informação como forma de distinção: ainda sobre a invenção neoliberal da Ciência da Informação

Antes da chegada do termo “ontologia” ao campo informacional, a trindade conceitual (“interdisciplinaridade”, “pós-modernidade” e “tecnologias da informação e da comunicação”), já estava dada: é no início dos anos 1960, quando Robert S. Taylor apresenta o primeiro conceito do neologismo “ciência da informação”, que encontramos a justificativa para tal configuração de uma “epistemologia casta”. Apesar da rápida disseminação da expressão (o que não significa “consolidação”, mas, antes, o princípio da “legitimação” sócio-epistêmica, no sentido bourdieusiano) não importa o conjunto de problemas e de limites aporéticos que a expressão abarcava. O que importava era sua “impressão”. Nascem aqui pel

O que é Ciência da Informação? Brookes na terra de ninguém

As tentativas de definição de uma "ciência da informação" (CI) a partir de uma “epistemologia casta” - ou seja, aquelas que dizem: a “ciência da informação é...” – são incontáveis a partir dos anos 1960. A ausência das alegadas “castidades” na precisão das definições fica clara, por exemplo, na afirmação de Borko (1968), ao dizer que "Now that the American Documentation Institute has voted to change its name to the American Society for Information Science, many of us have been forced to try to explain to friends and colleagues what information Science is, what na information scientist does, and how of this relates to librarianship and documentation." (BORKO, 1968, p. 3, grifo nosso) Os “amig

Livro, leitura e inclusão social no Nordeste...

Entre os dias 03 e 05 de agosto de 2017 ocorrerá o III Encontro sobre Livro, Leitura e Inclusão Social no Território Nordeste II da Bahia. A Biblioteca Paiaiá, projeto do Professor Dr. Geraldo Prado, reconhecida como a maior biblioteca rural do mundo, sediará o evento. O encontro debaterá questões, abordagens e conceitos como textos literários na biblioteca escolar, histórias em quadrinhos e formação de leitores, línguas indígenas, mediação de leitura. Ao longo dos dias do evento, ocorrerão oficinas, minicursos e rodas de conversa sobre os temas centrais que marcam a construção da proposta em sua terceira edição. Segue abaixo a programação completa.

GLOBALIZAÇÃO DA BIBLIOTECONOMIA EM SAÚDE NO INÍCIO DO SÉCULO XXI: temáticas, iniciativas e prospecçõ

Com a intensificação do processo de globalização surgem preocupações e interesses transnacionais ao mesmo tempo em que diversos campos de atuação profissional se expandem para além das fronteiras de países. Dentre estas novas demandas de âmbito internacional está a questão da Saúde Global, e dentre os profissionais que vislumbram nova conjuntura favorável ao trabalho de cooperação estão os bibliotecários. Conforme apontam Madge e Plutchak (2005), com o desenvolvimento das tecnologias de informação e comunicação a Biblioteconomia em geral e mais especificamente a Biblioteconomia em saúde contam com novas oportunidades de atuação e evoluem em temas emergentes que abarcam as novas necessidades

ÓrbitaLIS n.21: Privacidade e Democracia

"O tempo todo, no estômago, na pele, havia uma espécie de protesto, uma sensação de logro: a sensação de que você havia sido despojado de alguma coisa que tinha o direito de possuir [...] Por que razão o indivíduo acharia aquilo intolerável se não tivesse algum tipo de memória ancestral de que um dia as coisas haviam sido diferentes?" — George Orwell, 1984 ([1948]* 2009, p. 76-77). V Simpósio Internacional LAVITS A Rede Latino-americana de Estudos em Vigilância, Tecnologia e Sociedade (LAVITS), em parceria com a Universidade do Chile e a ONG Datos Protegidos, convida pesquisadores, acadêmicos, ativistas e representantes da sociedade civil para o envio de resumos para apresentação de trabalho

Uma África de saberes por revelar: a revolução por vir do Capítulo ISKO África

Em abril de 2017 foi criado o Capítulo ISKO África Ocidental. A International Society for Knowledge Organization estabelece seu ponto formal de produção e de propagação de um universo epistêmico em suas dimensões plurais presente em um só continente. São dimensões abertas aos métodos, às teorias e aos conceitos de organização do conhecimento, potenciais dispositivos que permitirão revelar as contingências culturais, os potenciais de transformação social e os modos de desenvolvimento científico e tecnológico da região africana. A presidência inicial capítulo está a cargo do Dr. Olufade Falade Williams Onifade, especialista em Artificial Intelligence, Computer Communications (Networks) e Datab

A luta neoliberal pela "invenção" da Ciência da Informação a qualquer preço: linguagem, ma

No início dos anos 1990, no contexto de seu “campo científico”, Lancaster, então já renomado, percebe uma “invasão” terminológica em "sua episteme", fruto (direto) da mutação tecnológica e fonte (objetiva) das reconfigurações do papel social destas personagens. Para a “irritação” de Lancaster (2004), os conceitos ou novos nomes respondiam por práticas já dadas – “Quando fiz o curso de biblioteconomia, zilhões de anos atrás, essas definições teriam sido definições exatas”. Segundo o autor, “pessoas do nosso próprio campo, que certamente deveriam saber mais (e ser mais responsáveis), colaboram com essa situação [da imprecisão terminológica]” (LANCASTER, 2004, p. vii). Vê-se o desespero de Lanc

O IBICT por uma ciência visível

O Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) realizará agora, dia 27 de julho, em Brasília, o I Simpósio sobre Ciência Brasileira Visível. Em pauta, temas como acesso ao conhecimento e fontes de informação no mundo contemporâneo. Destaque para os 45 da revista Ciência da Informação e os 15 anos da Biblioteca Digital de Teses e Dissertações (BDTD). Mais informações

Notitia Librorum: o novo perfil da Fnac

Livraria Cultura compra Fnac no Brasil A varejista francesa de música e livros Fnac Darty anunciou nesta quarta-feira acordo para vender suas operações no Brasil para a Livraria Cultura. A Fnac Darty disse que licenciará a marca Fnac para a nova empresa e vai realizar uma recapitalização para ajudar a companhia a melhorar sua posição de mercado. Procuradas no Brasil, ambas as empresas não se manifestaram sobre o assunto de imediato. A conclusão da venda deve ocorrer nas próximas semanas. A operação brasileira da Fnac inclui 12 lojas em 7 Estados do país e atividades de comércio eletrônico. A companhia opera no Brasil desde 1999, empregando atualmente cerca de 550 funcionários. “A união entre

A distinção na informação: da "paperless society" à "society without papers"

Em 2008, o que chamávamos insistentemente de “transposição do político para o epistemológico” nos mecanismos sociohistóricos de construção de uma ciência para informação parecia ainda reportar-se à preocupação com o que, de fato, viria ou poderia ser tomado como uma “epistemologia casta” do campo informacional. A facilidade com que argumentos políticos eram transmutados em “fundamentos científicos” – como, por exemplo, a afirmação de que éramos um campo novo, pois a sociedade da informação dependia desta anunciação – deveria, deste modo, ser contestada e a procura (de fundo epistemológico, ainda que com traços filosóficos) pela “epistemologia em sua verdade”, por sua vez, deveria seguir seu

DIFUSÃO E AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA CHILENA NOS ANOS 1990

Diversas mudanças decorrentes do surgimento da internet e da organização da sociedade em rede há muito já se encontram incorporadas no dia-a-dia da produção da ciência em grande parte do mundo. Para as mais jovens gerações de pesquisadores que já se formaram familiarizadas com a difusão do conhecimento científico em ambientes digitais pode ser até mesmo difícil imaginar as barreiras e desafios que outrora se impuseram ao acesso à informação, tendo em vista que nem sempre a propagação dos resultados de pesquisa contou com meios e ferramentas tão eficazes e de alcance tão abrangente. Essa realidade adversa pode ser em parte conhecida a partir dos relatos de Anna Maria Prat (1998), chefe do Dep

ÓrbitaLIS n.20: Atualidades, Atualizações

"Tal é o trabalho da leitura: a partir de uma linearidade ou de uma platitude inicial, esse ato de rasgar, de amarrotar, de torcer, de recosturar o texto para abrir um meio vivo no qual possa se desdobrar o sentido. O espaço do sentido não preexiste à leitura. É ao percorrê-lo, ao cartografá-lo que o fabricamos, que o atualizamos." — Pierre Lévy, O que é virtual? (1996, p. 36). Wikipedia for Libraries: Preview the Possibilities, Discover the Opportunities Evento online, do tipo webinar. Quando? 19 de julho de 2017, das 16h* às 17h*. Como prévia do programa de treinamento que será lançado no segundo semestre desse ano também pelo projeto "Wikipedia + Libraries: Better Together", este webinar

Entre "classificação", "taxonomia" e "ontologia": a âncora bourdieusia

Em uma primeira observação socioepistêmica, o que está por trás do jogo dos termos “classificação”, “taxonomia” e “ontologia” presentes no vocabulário informacional não é a delimitação, em uma “epistemologia casta”, do teor ilibado do “conceito científico”; não chegamos, pela via do termo “ontologia”, à acuidade semântica, de justificativa lógica, para substituição ou co-constituição diante do termo “classificação”. O que temos é um processo de “culto” à tecnologia e sua expressão de distinção – uma espécie de arché da “roda metafísica” (uma metafísica de inspiração iluminista e positivista), que pode ser compreendida como a “fé” na técnica como categoria de distinção entre os “seres epistêm

OFLClipping - Semanário Teleológico

Destaque da semana What libraries lost when they threw out the card catalog Este livro sobre catálogos de cartas, escrito e publicado em cooperação com a Library of Congress, é lindamente produzido, escrito de forma inteligente e amplamente ilustrado. "The Card Catalog" é muitas coisas: uma visão lúcida da história das práticas bibliográficas, um livro para a Library of Congress, uma lembrança dos catálogos de fichas bem-amados e uma coleção ilustrada de trivialidades bibliográficas. O texto fornece uma história concisa de compêndios literários dos Pinakes da lendária biblioteca de Alexandria para o advento de bancos de dados informatizados de inventário de livros, que começaram a aparecer j

ÓrbitaLIS n.19: Mídias digitais

Multiplicidade de canais de comunicação, interação por vias de mão dupla, integração de mídias diversas, transmídia, o virtual, o digital... What is Digital Media? Fonte: UH Digital Media (21.08.2015). What is Digital Media? Fonte: Centre for Digital Media. "O laboratório invertido: a distribuição do poder computacional como descentração da experiência laboratorial", por Benjamin Luiz Franklin No artigo, o autor argumenta que a distribuição do poder computacional, aliada à explosão informacional contemporânea, contribuem para a descentração e popularização da experiência laboratorial, resultando em um “laboratório invertido”. Franklin investiga então o pensamento ocidental, por sua "predileç

INFORMAÇÃO PARA TODOS: um programa da UNESCO frente à exclusão digital

Em postagem recente no Outro Códice a respeito do evento do African Centre of Excellence for Information Ethics (ACEIE) que marcou a comemoração dos 10 anos de discussões sobre Ética da Informação na África, foram destacados os tópicos levantados para debate na ocasião, e dentre eles figurou o Information for All Program (IFAP), da UNESCO. Este programa também foi digno de menção durante uma análise das relações de cooperação internacional entre IFLA e UNESCO no Congresso Internacional da IFLA ocorrido em 2012 na cidade de Helsinki. Ambas as considerações sobre o IFAP em relevantes eventos internacionais demonstram a importância de que o programa se reveste globalmente e que seus objetivos

ÓrbitaLIS n.18: Rafael Capurro

"Devemos ver quais desejos e esperanças se põem nesses objetos [digitais], por quem, como são transmitidos dentro do contexto cultural de uma nação como, por exemplo, na América Latina; o que estamos esperando, quais são os medos e as oportunidades que estes objetos nos estão dando e que pensamos que nos vão dar?" ... "O conceito de brecha digital é histórico, se vai transformando: o que significa brecha digital há dez anos?" ... "Temos de superar a brecha entre o análogo e o digital." Questões como a inserção de tecnologias em espaços de pobreza, o capital cultural necessário, brechas de gênero, aprendizagem ao longo da vida e a construção de redes não só de informação, mas de conhecimento,

A cultura das "epistemologias castas" nos estudos informacionais: socioepistemologia da in

Em 1991, quando ganhou o prêmio de livro do ano em Ciência da Informação (CI), conferido pela American Society for Information Science and Technology (ASIST), aquela que se coloca como a grande instituição do campo informacional no mundo no século XX, Frederick Wilfrid Lancaster apontava para uma questão crônica e em curso nos estudos informacionais estadunidenses: a tentativa de reinventar processos e produtos informacionais sob novos termos e expressões. Lancaster (2004, p. vi) chamava a atenção na preambular “nota sobre terminologia” para certa “redescoberta da roda”, criticando a falsa figuração de construtos aporéticos, de ordem temporal, que exigiam “atualização” de nomes e “concepções

OFLClipping - Semanário Teleológico

Destaque da semana Jordan’s “pay as you like” bookstore saved by crowd-funding Durante anos, Hamzeh AlMaaytah criou uma comunidade de amantes de livros na Jordânia, mantendo sua livraria no antigo centro de Amman aberta o tempo todo, incentivando os clientes a apreciarem os livros raros e muitas vezes permitindo que eles estabelecessem o preço de uma compra. Os usuários da livraria tiveram a chance de reembolsá-lo quando o espaço foi ameaçado de fechar, após uma doença repentina que afastou AlMaaytah por vários meses e as contas estavam empilhadas. Em abril, 330 pessoas de mais de 20 países contribuíram com US $ 18.000 em uma campanha de financiamento lançada por dois amigos. O dinheiro vai

Posts Em Destaque
Categorias
Nuvem de Tags
Arquivo
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ