Loci e Organização do Conhecimento

Outros metamétodos para classificar o mundo... A abordagem aqui entendida como loci epistêmicos procura reposicionar o conceito em uma dada dinâmica discursiva, o que descortina suas ações como fruto de um dado coletivo social, em um dado espaço, em um dado tempo. Trata-se, pois, de uma maneira geral, de compreender os ambientes de formação, de sedimentação, de dispersão e de apropriação dos conceitos. O movimento permitido pela noção de loci epistêmicos, base conceitual em desenvolvimento dentro do próprio contexto de constituição do estudo, ampara a relação entre uma vertente analítica e uma abordagem sociodiscursiva do objeto. Em outros termos de fundamentação teórica dos loci epistêmicos

OFLClipping - Semanário Teleológico

Destaque da semana Fez o teste do gênero oposto no Facebook? Você pode ter cometido um erro. O "Como Você Seria Se Fosse Do Gênero Oposto?" é o teste da vez no Facebook. Se você entrou na onda, saiba que deu seus dados a uma empresa pouco conhecida, e sabe-se lá o que ela fará com eles. O gancho para atrair usuários é mostrar como a pessoa ficaria se fosse do gênero oposto, com imagens bem reais. Mas, para realizar o teste, a empresa Kueez solicita que você clique em "Conectar-se ao Facebook" para ver o resultado. A Kueez não é a primeira nem será a última empresa a criar um aplicativo/jogo/quiz de Facebook para conseguir isso. O objetivo é transformar esse monte de informações em dinheiro.

Watakusi: a solidão da informação

Noção de individualidade na cultura japonesa, que estabelece grande diferença entre a esfera "privada" dentro da própria casa e a esfera "pública" fora da casa. ​Tradição filosófica: Filosofia oriental. ​Corrente epistemológica: Teoria da privacidade. Confira o verbete e mais AQUI.

O império do conceito

Sobre o método analítico conceitual... um modo de metarreconhecimento na Organização do Conhecimento A importância das definições para melhor elaboração de instrumentos metodológicos já é fato sabido e estudado nos horizontes da Ciência da Informação, mais especificamente no escopo da Organização do Conhecimento (OC). Uma definição bem elaborada, além de esclarecer questões conceituais, soluciona problemas relacionados à polissemia da língua, ponto bastante preocupante quando lidamos com representação de conteúdos informacionais (DAHLBERG, 1983; CAMPOS, 2001). Os problemas referentes às estruturas definitórias têm sido objetos de estudos diversos na língua geral, com problemas levantados po

ÓrbitaLIS n.29: Brasil Estrangeiro

[ANTÔNIO MIRANDA:] Reconhecidas as diversas influências (aleatórias) estrangeiras sobre a profissão de biblioteconomia no Brasil, como garantir um desenvolvimento ideológico e tecnológico mais autônomo no futuro? [EDSON NERY DA FONSECA:] Para que as influências estrangeiras se tornem construtivas, no sentido da formação de uma consciência bibliotecária nacional, é indispensável que os bibliotecários brasileiros conheçam: (a) a realidade brasileira; (b) as realidades nacionais estrangeiras; e (c) os novos métodos e técnicas de registro, organização e disseminação do conhecimento. — Entrevista com Edson Nery da Fonseca (1979, p. 89) Grupo de Pesquisa “Bibliotecas Públicas no Brasil: reflexão e

O papel das bibliotecas públicas de Botswana na disseminação de informação em saúde

Botswana é uma República escassamente povoada da África Austral – sua população está contabilizada em algo mais que dois milhões de habitantes. Trata-se de um país que têm apresentado significativo crescimento econômico no âmbito do continente africano e que conta, ao mesmo tempo, com altos índices de infecção por HIV/AIDS, o que, consequentemente, afeta a expectativa de vida de sua população. Essa conjuntura faz com que a disseminação e o acesso à informação em saúde ganhem relevância como uma necessidade de seus habitantes. Diante do quadro singular de Botswana, Ntlotlang e Grand (2016) apresentam um estudo consistente e importante sobre o papel das Bibliotecas Públicas na provisão de inf

Lugares e egométricas: outros eus

Metaolhares sobre um certo domínio no espelho O estudo dos loci epistêmicos está inserido nas discussões acerca do meio acadêmico e científico, sobre a existência e o espaço onde os discursos sobre as teorias, os modelos, os métodos e as técnicas se encontram, em aproximação ou em distanciamento. Historicamente, a Organização do Conhecimento, como uma gnosologia específica na árvore geral dos saberes, construiu egométricas - medidas de si - como metodologias para se autoconhecer. A linha analítica procurou demarcar o desenvolvimento do próprio domínio epistêmico em questão. Seja pelo intuito de compreender o desenvolvimento e o direcionamento da ciência, seja pelo que podemos nomear de propó

OFLClipping - Semanário Teleológico

Destaque da Semana Bibliófilo reúne 130 anos de história da capa do livro no Brasil Julgar um livro pela capa pode não ser o ideal afinal, um corpinho bonito pode ser uma doce ilusão. Mas o embrulho ajuda um título a se destacar no cipoal de obras nas prateleiras. Não à toa, grandes artistas gráficos se dedicaram a conceber capas no último século e meio. Agora, o bibliófilo carioca Ubiratan Machado, 77, resolveu contar essa história em seu novo livro A Capa do Livro Brasileiro, que traz um levantamento de 130 anos, desde 1820, quando a primeira imprensa foi instalada no país, até a década de 1950. Machado é conhecido por suas viagens ao passado. Com talento enciclopédico, ele já fez amplos l

Hashtags e militância social

Cenários nos estudos em Biblioteconomia e Ciência da Informação... A web 2.0 é considerada a segunda geração da internet e teve seu termo criado por Tim O’Reily. Entre as características associadas à Web 2.0, destaca-se que esta permite que as interfaces virtuais possam ter interação, produção de conteúdos e compartilhamento desses conteúdos informacionais online que são organizados, armazenados e recuperados utilizando-se de tags. Por sua vez, as tags “são palavras-chave associadas a um determinado recurso de informação” (ROCHA; MORENO, 2012, p. 2). A utilização das tags no ambiente de mídias sociais se dá a partir do estabelecimento de fluxos informacionais determinando o assunto, termo ou

Nova Liber Agenda em rede!

Em agosto de 2017 foi criada a editoria da Liber Agenda no blog do Portal Ecce Liber. Através do constante mapeamento das redes sociais e observando que grande parte dos eventos, palestras, encontros e cursos ofertados no âmbito da ciência da Informação e da Biblioteconomia utilizam como principal meio de divulgação o Facebook, o objetivo da Agenda é auxiliar na organização e controle dos eventos servindo como um instrumento para os leitores do Ecce Liber. A quantidade de informação que temos acesso diariamente nas redes sociais é de uma grandeza exorbitante, o que acaba por dificultar a mineração e utilização de forma eficaz do que nos é oferecido diariamente ao logar nossas redes sociais

Classificação crítica, dança e o feminino

[Notas sobre a dança indígena na organização do conhecimento: críticas da linguagem na representação do feminino] Como problematizar os processos de representação das culturas indígenas nos tradicionais sistemas de organização do conhecimento? Como lutar contra a linguagem arbitrária dentro das linguagens documentárias dadas? Lala Hajibayova, da Kent State University, do Estado de Ohio, nos Estados Unidos, e Wayne Buente, da University of Hawai’i at Mānoa, Honolulu, se propõem exatamente compreender a possibilidade de representação da dança Hula da tribo Kanaka Maoli do Havaí. O percurso passa, pois, pelo reconhecimento dos atuais vocabulários controlados que abordam a cultura havaiana. A cr

Folksonomia e assédio sexual

Sabemos que na contemporaneidade o uso da internet e principalmente das mídias sociais tem ampliado as discussões sobre temas considerados “tabus”, tais como: homofobia, lesbofobia, transfobia, racismo, misoginia, feminismo, entre outros. Esses temas, durante muito tempo e sob diversas proporções, foram invisibilizados pela estrutura social dominante que corresponde, majoritariamente, aos homens heteronormativos brancos. A partir da perspectiva de que a Ciência da Informação é uma ciência social (LE COADIC, 2004) o estudo destes temas é importante para trazer visibilidade às lutas sociais presentes nas mídias, consideradas também ricos ambientes para trocas informacionais. Para esta discussã

ÓrbitaLIS n.28: Rua de mão dupla

LIVRES HEBDO: Has the image of libraries in the minds of politicians and decision-makers changed? GLÒRIA PÉREZ-SALMERÓN: I think that their perception of libraries has changed. Just a few years ago, librarians were stuck in their own world, their own jobs, and that goes for IFLA too. We need to change our mindset. Today, professionals have understood that they are actors not just in their own workplace, but in society as a whole, and must respond to its needs. For the first time at IFLA, we stand together around a global project, and when I discuss this with decision-makers, I have the feeling that they are listening. — Entrevista com a presidenta da IFLA (29.01.18) As pedras angulares para

Posts Em Destaque
Categorias
Nuvem de Tags
Arquivo
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ