A loucura e os limites da organização do conhecimento

A classificação e as práticas modernas de organização do conhecimento (OC) podem ser identificadas, no sentido polissemântico, em diferentes saberes. A configuração epistêmica e distintiva adquirida no contexto de uma epistemologia histórica da Ciência da Informação (CI), marcada por um processo de institucionalização de disciplinas, grupos de trabalho, associações científicas, pode, ela própria, clarificar a extensão e a exaustividade sempre parcial da condicionante conceitual e das múltiplas disciplinas interessadas nos métodos e nas práticas que se questionam pelas ações de classificar e de organizar.

Em outras palavras, o próprio desenvolvimento da OC no contexto da CI demonstra, em seus diferentes horizontes de investigação, a vastidão de questões filosóficas e aplicadas que convergem para os dilemas da informação contidos em tais ações. Das críticas de Frohmann (1990) e García Gutiérrez (2011) contra plano mentalista da indexação aos remotos problemas da arbitrariedade das ações classificatórias, podemos identificar diferentes cenários fronteiriços onde a suspeição sobre a organização do conhecimento é tencionada.

Essa abertura à paisagem crítica pode ser identificada, por exemplo, nas relações entre OC e os estudos sobre a loucura, horizonte estrutural de tal reflexão teórica concentrada em uma epistemologia em construção nos estudos de organização e representação do conhecimento. A própria condição de um possível campo do conhecimento dedicado a organizar o conhecimento, como na visão de Dahlberg (2006), pressupõe o afastamento absoluto da aporia da loucura: a sistematização dependerá de uma racionalidade (no ponto de vista dahlbergiano, de fundo analítica) que postula a capacidade comunicativa do conceito em sua unidade de sentido. A loucura, é, pois, uma das fronteiras de uma epistemologia da OC.

Por sua vez, a loucura, como na reflexão procuramos demonstrar, é fruto da própria classificação – em uma hipótese crítica, a loucura representa um dos aparentes limites do pensamento classificatório e, ao mesmo tempo, em outra margem, é resultado de sua “irracionalidade” ou, “inversamente”, de seu nível mais alto de discurso racional (se usarmos a argumentação cassireriana da filosofia das formas simbólicas), como o caso da fundamentação comteana, ou, ainda, em outros termos, o modo positivista de classificar a razão e determinar os modos adequados de descrição das maneiras como a razão classifica o homem, o mundo e seus objetos.

REFERÊNCIA

SALDANHA, G. S. ; GUIMARÃES. M. L. S. . Da loucura e da arte nos limites de uma epistemologia da organização do conhecimento. In.: ENANCIB, XVII, 2017, Marília. Anais... Marília (SP): Unesp, 2017.

Outras fontes

AMARANTE, P. O homem e a serpente: outras histórias para a loucura e a psiquiatria. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz. 1996.

BOURDIEU, Pierre. Escritos sobre a educação. Petrópolis: Vozes, 2007.

BRIET, S. Qu'est-ce que la documentation? Paris: Éditions Documentaires Industrielles et Técnicas, 1951.

CAPONI, S. Loucos e degenerados: uma genealogia da psiquiatria ampliada. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 2012.

CASSIRER. E. Ensaio Sobre o Homem. Uma Introdução a uma Filosofia da Cultura Humana. São Paulo: Ed: Martins Fontes, 2005.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas; Terceira parte: Fenomenologia do conhecimento. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas; Segunda Parte: O pensamento mítico. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

CASSIRER, Ernst. A filosofia das formas simbólicas; Primeira parte: A linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CRUZ JÚNIOR. E. G. PINHEIRO. L. V. Aspectos Museológico nas constituições das coleções da loucura. In: ANAIS do X Encontra Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação (X ENANCIB). Paraíba; João Pessoa. 2013

DAHLBERG, Ingetraud. Knowledge Organization: a new Science? Knowl. Org., v. 33, n.1, p. 11-19, 2006.

DAHLBERG, Ingetraud. Teoria do conceito. Ci. Inf., Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 101-107, 1978.

ESTIVALS, Robert. Theorie lexicale de la schematisation. Schéma et schématisation: revue de schématologie et de bibliologie, n. 52, p. 5-72, 2000.

FOUCAULT, M. Doença mental e psicologia. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

FOUCAULT, M. História da Loucura na Idade Clássica. São Paulo: Perspectiva, 1978.

FROHMANN, Bernd. The power of images: a discourse of images: a discourse analysis of cognitive viewpoint. Journal of Documentation, v. 48, n. 4, p. 365-386, 1992.

FROHMANN, B. Rules of indexing: a critique of mentalism in information retrieval theory. Journal of Documentation, v. 46, n. 2, jun. 1990.

GARCÍA GUTIÉRREZ, A. Desclassification in Knowledge Organization: a post-epistemological essay. Transinformação, Campinas, v.23, n.1, p. 5-14, jan./abr., 2011.

GRAMARY, Adrian. De Prinzhorn a Dubuffet: a repercussão das colecções de arte criada por doentes psiquátricos na arte do século XX. Leituras/Readings. Volume II, Nº2 março/abril, 2005

PESSOTTI, I. Os nomes da loucura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

PESSOTTI, I. Sobre a teoria da loucura no século XX. Temas em Psicologia, 2006, vol 14, no 2, 113-123.

PROVIDELLO, G. G. D.; YASUI, S. A loucura em Foucault: arte e loucura, loucura e desrazão. História, Ciências, Saúde – Manguinhos, Rio de Janeiro, v.20, n.4, out.-dez. 2013, p.1515-1529.

SALDANHA, Gustavo S. O esquema e as formas simbólicas: uma 'arqueologia filosófica' do esquema no pensamento bibliológico. Tempo Brasileiro, v. 203, p. 79-102, 2015.

TODOROV, T. Goya à sombra das luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

VIGNAUX, Georges. O demônio da classificação: pensar, organizar. Lisboa: Instituto Piaget, 2000.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ