Princípios de Descrição Bibliográfica: Bibliografia Material e História do Livro – contextos, perman

VI Seminário Internacional A Arte da Bibliografia - UDESC / UFSC - Florianópolis - 2019

Princípios de Descrição Bibliográfica: Bibliografia Material e História do Livro – contextos, permanências e rupturas.

Por: Diná Marques Pereira Araújo

Resumo

A Bibliofilia francesa no século XVIII fomentou e criou a cultura gráfica colecionável por meio dos superlativos da raridade. Nesse contexto, visto como berço das abordagens sobre a bibliografia material na França, a descrição bibliográfica alicerçou os estudos teóricos-práticos que alimentaram o corpo e a alma da História do Livro e da Bibliografia no século das Luzes. Por sua vez, no final do século XIX e até a primeira metade do século XX, na Grã-Bretanha, a retomada de estudos dos incunábulos e, ainda, os estudos da crítica literária de textos elisabetanos, também configuraram-se como um momento de evolução e de rupturas para a História do Livro e para a Bibliografia. Assim, a Crítica Textual e a Bibliografia Material inglesa influenciaram as práticas de descrição bibliográfica na Bibliofilia, na Bibliografia, na História do Livro e na Biblioteconomia. No que concerne à Biblioteconomia, especificamente a partir do século XX, a descrição bibliográfica dedicada à materialidade terá lugar de destaque nas práticas e nos discursos institucionais de bibliotecas com missão de guarda patrimonial – como, por exemplo, mas não exclusivamente, nas bibliotecas nacionais – tendo como fundamentado os instrumentos e os métodos da Bibliografia Material francesa e inglesa. Nesse cenário, as estruturas de descrição são atravessadas pela automação de bibliotecas com seus sistemas de organização da informação e suas estruturas de base dados, os quais oportunizaram abismos entre a descrição da materialidade (de acordo com as heranças do século XVIII, XIX e XX) e a descrição estruturada a partir de um sistema de representação descritiva automatizado (século XX) – conforme pode ser observado nas análises de descrições produzidas nesses períodos. A perspectiva da descrição bibliográfica em sua dimensão histórica visa focar os estudos do livro na Biblioteconomia consonante com a História do Livro e com a Bibliografia do ponto de vista conceitual e contextual das práticas culturais.

Conheça Diná Marques Pereira Araújo

Bacharel em Biblioteconomia (UFMG, 2006). Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (UFMG, 2019-2022). Mestre em Ciência da Informação (UFMG, 2017). Bibliotecária (UFMG, 2009-). Coordenadora da Divisão de Coleções Especiais da Biblioteca Universitária-UFMG (2010-). Membro do Comitê Memory of World, Unesco, Brasil (2015-). Atua nas áreas de preservação e catalogação de coleções especiais. Desenvolve pesquisas sobre as temáticas: História do Livro, História das Bibliotecas, Bibliografia, Bibliofilia, Livros Raros, Livro de Artista, Conservação-Restauração de papel.

VI Seminário Internacional A Arte da Bibliografia - UDESC / UFSC - Florianópolis - 2019

[Programa completo do evento]

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ