Dos falsos antagonismos informacionais (3): interdisciplinarismo e barbárie profissional

Como dizer... eis uma episteme para o estudo informacional? Duas armas sociodistintivas foram discursivamente fulcrais para a assertiva... de um lado, a interdisciplinaridade como lema social democrata... de outro, a falsa abertura ao mercado na crise da ideia de trabalho...

a) O bem na interdisciplinaridade sob a amarra dos fundamentalismos disciplinares: “distinção socioepistêmica” estabelecida a partir da construção da inferioridade da disciplinaridade diante da interdisiciplinaridade, a) como se a CI, não sendo um novo nome, a princípio, para velhas práticas, respondesse por um campo interdisciplinar naturalmente (quando sua história sessentista de fundo positivista prova o contrário, ou seja, a fuga na direção aos modelos tradicionais de fundamentação científica), b) como se esta fosse uma opção racional, e não uma sociodistinção; c) como se a pretensa interdisciplinaridade não se apoiasse na estrutura conceitual disciplinar que se perpetua com breves alterações duvidosas, como a crítica epistêmica de Lancaster alertava;

b) O adeus aos profissionais na barbárie do mercado informacional: “distinção socioepistêmica” estabelecida a partir da construção da inferioridade dos profissionais diante dos cientistas (historicamente tecida pela cadeia ocidental de epistemologias castas), dada, aqui, pela articulação epistêmica de que CI (mesmo sendo estruturalmente um campo aplicado em todas as suas subáreas) se dá no âmbito da pós-graduação e se dedica à organização do conhecimento dos cientistas, enquanto os profissionais atuariam no trato das generalidades e na absorção de teorias para intervenção nas especialidades, quando, de fato, os estudos informacionais sob a expressão information science seguiriam o mesmo percurso de aplicações técnicas que permanece até os dias atuais (factualmente, sempre existiu uma corrida atrasada para tentar justificar epistemicamente não a existência da CI, mas, precisamente, os motivos pelos quais era, é e será um domínio técnico).

Algumas fontes

BOURDIEU, P. Homo academicus. Florianópolis: ed. da UFSC, 2013.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 2011.

BOURDIEU, Pierre. A distinção: critica social do julgamento. 2. ed. rev. Porto Alegre: Zouk; São Paulo: EDUSP, 2011.

BOURDIEU, P. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004a.

BOURDIEU, P. Para uma sociologia da ciência. Lisboa: Edições 70, 2004b.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BOURDIEU, P. Lições da aula: aula inaugural proferida no Collège de France em 23 de abril de 1982. São Paulo: Ática, 2001a.

BOURDIEU, P. Meditações pascalianas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001b.

BOURDIEU, P. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Campinas, SP: Papirus, 1996.

FROHMANN, B. Documentation redux: prolegomenon to (another) philosophy of information. Library Trends, v. 52, n. 3, p. 387-407, win. 2004.

FROHMANN, B. Reference, representation, and the materiality of documents. In: COLÓQUIO CIENTÍFICO INTERNACIONAL DA REDE MUSSI. 2011. Anais... Toulouse: Université de Toulouse 3, 2011.

LANCASTER, F. W. Indexação e resumos: teoria e prática. Brasília: Briquet de Lemos, 2004.

LANCASTER, F. W. Toward Paperless Information Systems. New York: Academic Press, 1978.

MEDEIROS, M. Recensão. Indexação e resumos: teoria e prática. Ci. Inf., Ci. Inf., Brasília, 22(2): 181-185, maio/ago. 1993

SALDANHA, G. S. O que é Ciência da Informação? Desafios imediatos e impactos hipotéticos da ?distinção? bourdieusiana na socioepistemologia dos estudos informacionais. In: Regina Maria Marteleto; Ricardo Medeiros Pimenta. (Org.). Pierre Bourdieu e a produção social da cultura, do conhecimento e da informação. 1ed.Rio de Janeiro: Garamond, 2017, v. 1, p. 72-101.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ