Hashtags e militância social

Cenários nos estudos em Biblioteconomia e Ciência da Informação...

A web 2.0 é considerada a segunda geração da internet e teve seu termo criado por Tim O’Reily. Entre as características associadas à Web 2.0, destaca-se que esta permite que as interfaces virtuais possam ter interação, produção de conteúdos e compartilhamento desses conteúdos informacionais online que são organizados, armazenados e recuperados utilizando-se de tags.

Por sua vez, as tags “são palavras-chave associadas a um determinado recurso de informação” (ROCHA; MORENO, 2012, p. 2). A utilização das tags no ambiente de mídias sociais se dá a partir do estabelecimento de fluxos informacionais determinando o assunto, termo ou fonte que mais interessa a um determinado conjunto de sujeitos. Moura e Mandaji (2014, p. 6) enfatizam:

"Na folksonomia, o indivíduo, que nesse caso é tanto o emissor quanto o receptor, se transforma naquele que classifica, decidindo quais e quantas tags deseja distribuir sobre qualquer assunto, estando irrestrito a qualquer diretriz. As tags permitem ao usuário visualizar suas próprias marcações e compartilhá-las, além de visualizar as marcações feitas por outros usuários e acessar informações relacionadas a essas tags na rede."

Diante disto, podemos dizer que as tags são uma forma de organizar o conhecimento em determinados espaços virtuais, uma vez que essa organização acontece através de uma linguagem popular. Esta linguagem, de forma alguma pode ser entendida como neutra, ainda que usuárias e usuários contraponham suas opiniões sobre determinado assunto, uma vez que etiquetam sua publicação, imediatamente a indexam na web de maneira arbitrária.

As hashtags começaram a ser divulgadas no Twitter em 2007. A “ferramenta que possibilita o agrupamento de postagens por tópicos, articulando determinadas palavras, frases ou expressões precedidas pelo símbolo sustenido “#”, chamado “hashtag” começou a ser utilizada no sistema de indexação do Twitter chamado trending topics, em 2008. (MOURA; MANDAJI, 2014, p. 6).

A partir de então, seu uso se popularizou também em outras mídias como Facebook, Instagram, entre outras.Enquanto conceito articulado à Folksonomia, as hashtags são conceituadas por Moura e Mandaji (2014, p. 6-7) como aquelas que “classificam, agrupam e direcionam as informações contidas na web sobre os mais variados temas e assuntos, possibilitando maior participação e cooperação dos usuários, através da utilização de palavras-chave para organização”.Nesse sentido, as hashtags têm servido para aprimorar, desenvolver e possibilitar a organização dos conteúdos e sujeitos nas mídias sociais. Este tipo de indexação permitiu


a formação de grupos por meio do compartilhamento de ideias, onde as hashtags são utilizadas não somente para definir e delimitar o conteúdo das informações, como também para exteriorizar ideais, sentimentos, preferências, indignações e posicionamentos variados dos indivíduos que compõem o ciberespaço (MOURA; MANDAJI, 2014, p. 7).

O uso das hashtags como instrumento para a militância nas mídias sociais já são contemplados dentro da Ciência da Informação e Biblioteconomia no Brasil por alguns autores e autoras. Encontramos na Base de Dados Referencial de Artigos e Periódicos em Ciência da Informação - BRAPCI, principal base de dados sobre a área no país diversos artigos que abordam a temática. Utilizamos os termos Folksonomia e assédio como palavra-chave e foram recuperados 34 artigos, dos quais destacamos como mais relevantes os que estão associados ao uso da folksonomia como militância nas mídias sociais.

Dentre eles, destacamos: “#IMPEACHMENT OU #NAOVAITERGOLPE: Uma análise sobre a folksonomia na indexação de imagens fotográficas em redes sociais da web 2.0” de Nóbrega e Manini (2016); “Folksonomia e tags afetivas: comunicação e comportamento informacional no Twitter”, de Pereira e Cruz (2010); “Feminismo 2.0: a mobilização das mulheres no Brasil contra o assédio sexual através das mídias sociais (#PRIMEIROASSEDIO)”, de Almeida, Terra e Santini (2016); “Participation in Brazilian Feminist Movements on social networks: a study on the campaign Meu Amigo Secreto (My Secret Santa)”, de Moraes, Boldrin e Silva (2017); e, “Linguagem Natural no Twitter e Linguagem Documentária em Tesauros: da hashtag #NãoMereçoSerEstuprada ao descritor estupro”, de Sousa e Silva (2015).

Referência

ROMEIRO, Nathália; SILVA, Franciéle Carneiro Garcês da. A folksonomia das hashtags como instrumentos de militância contra o assédio sexual no Facebook: avaliação da hashtag #mexeucomumamexeucomtodas. Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação, online first, 2018.

Outras fontes

ASSIS, J.; MOURA, M. A. Folksonomia: a linguagem das tags. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 18, n. 36, 2013. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/13410>. Acesso em: 24 jul. 2017. BRANDT, M. B. Etiquetagem e Folksonomia: uma análise sob a ótica dos processos de organização e recuperação da informação na web. Brasília: Camara dos Deputados, 2009. BRASIL. Presidenta da República. Ministro do Trabalho e Previdência Social. Fundacentro. Cantada não é elogio: Campanha contra o assédio sexual e a opressão de gênero. São Paulo: Gráfica da Fundacentro, 2016. Disponível em: <http://www.fundacentro.gov.br/biblioteca/biblioteca-digital/download/Publicacao/248/portal_2016_Cartilha_assedio_sexual-pdf> . Acesso em: 08 out. 2017. BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012. DOTTA, S. Uso de uma mídia social como ambiente virtual de aprendizagem. Brazilian Symposium on Computers in Education (Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE). v. 1, n. 1., 2011. Disponível em: <http://brie.org/pub/index.php/sbie/article/view/1623>. Acesso em: 01 set. 2017. GONÇALVES, J. L. C. S.; ASSIS, J. A indexação social enquanto prática de representação colaborativa da informação imagética: a construção da memória na plataforma flickr. Revista Conhecimento em Ação, v. 1, n. 2, 2016. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/23540>. Acesso em: 27 set. 2017. GUEDES, R. de. M.; MOURA, M. A.; DIAS, E. J. W. Indexação Social e Pensamento Dialógico: reflexões teóricas. Inf. Inf., Londrina, v. 16 n. 3, p. 40– 59, jan./ jun. 2011. Disponível em: <http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/informacao/article/view/10477/10642>. Acesso em: 27 set. 2017. HIGA, F. da C. Assédio sexual no trabalho e discriminação de gênero: duas faces da mesma moeda?. Revista Direito GV, v. 12, n. 2, p. 484-515, 2016. Disponível em <http://www.scielo.br/pdf/rdgv/v12n2/1808-2432-rdgv-12-2-0484.pdf>. Acesso em: 30 ago. 2017.

MARTELETO, R. Redes sociais, mediação e apropriação de informações: situando campos, objetos e conceitos na pesquisa em ciência da informação. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 3, n. 1, p. 27-46, 2010. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/9339>. Acesso em: 24 jun. 2017. MORAES, G. H. S. M.; BOLDRIN, J.; SILVA, D. S. Participation in brazilian feminist movements on social networks: a study on the campaign meu amigo secreto (my secret santa). Informação & Sociedade: Estudos, v. 27, n. 2, 2017. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/27099>. Acesso em: 28 set. 2017. MOURA, K. F.; MANDAJI, C. F. da S. A relação das hashtags com as palavras de ordem presentes nas Manifestações Brasileiras de 2013. In: CONGRESSO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO NA REGIÃO SUL, 15., 2014. Anais… Palhoça (SC), 2014. Disponível em: <http://www.portalintercom.org.br/anais/sul2014/resumos/R40-1334-1.pdf>. Acesso em: 20 maio. 2017. MOURA, M. A. Folksonomias, redes sociais e a formação para o tagging literacy: desafios para a organização da informação em ambientes colaborativos virtuais. Informação & Informação, v. 14, n. esp., p. 25-45, 2009. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/7945>. Acesso em: 27 set. 2017. NÓBREGA, I. O. E.; MANINI, M. P. Uma análise sobre a folksonomia na indexação de imagens fotográficas em redes sociais da web 2.0. Biblionline, v. 12, n. 4, 2016. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/23251>. Acesso em: 27 set. 2017. PEREIRA, D. B. C.; CRUZ, R. C. Folksonomia e tags afetivas: comunicação e comportamento informacional no twitter. DataGramaZero, v. 11, n. 6, p. A06, 2010. Disponível em: <http://www.brapci.ufpr.br/brapci/v/a/9512>. Acesso em: 27 Set. 2017. RAPETTI, L. Folksonomia: organização e uso da informação na web. 2007. 56 f. Monografia (Trabalho de Conclusão de Curso) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Biblioteconomia e Documentação, Porto Alegre, 2007. Disponível em: <https://www.lume. ufrgs.br/bitstream/handle/10183/18728/000667018.pdf?sequence=1>. Acesso em: 9 maio 2017. ROCHA, A. K.; MORENO, J. A Folksonomia como ferramenta para a representação do conhecimento na Web sob a ótica das redes sociais. Múltiplos Olhares em Ciência da Informação, v.2, n.2, out. 2012. SAFFIOTI, H. Movimentos sociais: a face feminina. In: Carvalho, N. V. A condição feminina. São Paulo: vértice, 1988.

SANTINI, R. M.; TERRA, C.; ALMEIDA, A. R. D. de. Feminismo 2.0: A Mobilização das mulheres no Brasil contra o assédio sexual através das mídias sociais (#primeiroassedio). P2P e inov. Rio de Janeiro, RJ, v. 3 n. 1, set./mar. 2017. Disponível em: <http://revista.ibict.br/p2p/article/view/2341/2390>. Acesso em: 09 maio 2017.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ