Entre o Organon e a Retórica...

Encruzilhadas da organização do conhecimento...

Na discussão metametodológica da Organização do Conhecimento (OC), uma dupla via metodológica se anuncia: uma direção analítico-conceitual, outra discursiva. Ambas têm um solo epistemológico comum: Aristóteles (“um” Aristóteles do Organon, “outro” da Retórica).

Porém, pelas lentes da OC, as duas vias estão igualmente fundadas no campo informacional. Elas partem de experimentos já apontados por diferentes teóricos. Porém, reconhecemos a hegemonia do plano de aplicação e de teste da primeira abordagem, principalmente a partir da expressão do pensamento de Ingetraud Dahlberg.

Na via discursiva, reconhecemos já existência de uma frente de trabalhos contemporâneos, principalmente envolvidos com a aproximação entre a análise do discurso e as teorias da OC. Em geral, a noção de indexação social tende abarcar essas abordagens. Em nosso caso, trata-se de recuperar o pensamento retórico dos tropos e repensar a apropriação da noção de lugares-comuns em um plano crítico-discursivo amplo. Atentamos, porém, para o ponto de vista epistemológico-histórico de Emanuelle Tesauro, já influenciado pela visão aristotélica, bem como em abordagens epistemológicas atuais, como antevistas em Rafael Capurro e García Gutiérrez.

Ambas as vias atendem adequadamente a um objetivo central do estudo: uma experiência metametodológico no âmbito da OC. Dois caminhos, pois, foram aqui trilhados e seguem seu curso. O primeiro representa a construção de uma reflexão sobre as próprias abordagens teórico-metodológicas da OC. O segundo aponta para a capacidade de adoção dos próprios pressupostos teóricos e das próprias ferramentas metodológicas da OC para refletir a própria configuração epistemológica do que hoje tratamos como “organização do conhecimento”.

REFERÊNCIA

ALMEIDA, T.; SALDANHA, G. S. Entre a abordagem analítica e os loci epistêmicos: um debate metametodológico para a organização do conhecimento In: Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação, 2017, Marília. Anais do XVIII Encontro Nacional de Pesquisa em Ciência da Informação. Marília: PPGCI UNESP, 2017. p.1 - 20.

Outras fontes

BARITÉ, Mario et al. Garantia literária: elementos para uma revisão crítica após um século. Transinformação, Campinas, v. 22, n. 2, 2010.

BARTHES, Roland. A aventura semiológica. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

CAFÉ, Lígia Maria Arruda; BRATFISCH, Aline. Classificação analítico-sintética: reflexões teóricas e aplicações.Transinformação, Campinas, v. 19, n. 3, 2007.

CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Linguagem documentária: teorias que fundamentam sua elaboração. Niterói: EdUFF, 2001.

CAPURRO, R. What is Information Science for? a philosophical reflection In: VAKKARI, P.; CRONIN, B. (Ed.). Conceptions of Library and Information Science; historical, empirical and theoretical perspectives. In: International conference for the celebration of 20th anniversary of the department of information studies, University of Tampere, Finland.1991. Proceedings... London, Los Angeles: TaylorGraham,1992. p. 82-96.

CAVALCANTE, Raphael da Silva; BRÄSCHER, Marisa. Taxonomias navegacionais em sítios de comércio eletrônico: critérios para avaliação. Transinformação, Campinas, v. 26, n. 2, 2014.

DAHLBERG, I. Conceptual definitions for interconcept. International Classification, v. 8, n. 1, p. 16-22, 1981.

_____. Knowledge Organization: a new Science? Knowledge Organization.v. 33, n.1, p.11-19, 2006.

_____. Knowledge organization: its scope and possibilities. Knowledge Organization, v. 20, n. 4. p.211-222, 1993.

_____ I. A Referent-oriented analytical concept theory of interconcept. International Classification, Frankfurt, v.5, n.3, p.142-150, 1978.

_____. Terminological definitions: characteristics and demands. In: Problèmes de la définition et de la synonymie en terminologie. Québec, GIRSTERM, 1983. p. 13-51.

ECO, Umberto. Semiótica e Filosofia da Linguagem. Lisboa: Instistuto Piaget, 2001.

Folksonomia: esquema de representação do conhecimento? Mariana Brandt; Marisa Brascher; Basílio Medeiros.Transinformação, Campinas, v. 22, n. 2, 2010.

FOUCAULT, M. As Palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

FREITAS, Juliana Lazzarotto; NASCIMENTO, Bruna Silva do; BUFREM, Leilah Santiago. A organização do conhecimento na dinâmica da pesquisa em artigos da literatura científica da Brapci. Transinformação, Campinas, v. 26, n.3, 2014.

FUJITA, Mariângela S. L. Organização e representação do conhecimento no Brasil: análise de aspectos conceituais e da produção científica do Enancib no período de 2005 a 2007. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v. 1, n. 1, p. 1-32, 2008. Disponível em: <http://basessibi.c3sl.ufpr.br/brapci/v/a/7781>. Acesso em: 28 fev. 2017.

FUJITA, Mariângela Spotti Lopes; SANTOS, Luciana Beatriz Piovezan dos. Política de indexação em bibliotecas universitárias: estudo diagnóstico e analítico com pesquisa participante. Transinformação, Campinas, v. 28, n. 1,2016

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio. Epistemología de la Documentación. Barcelona: Stonberg Editorial, 2011.

GARCÍA GUTIÉRREZ , Antonio. Cientificamente favelados: uma visão crítica do conhecimento a partir da epistemografia. Transinformação, Campinas, v. 18, n. 2, 2006.

HJORLAND, B. What is Knowledge Organization (KO)? Knowledge Organization, v.35, n. 2-3, p. 86-101, 2008.

KOBASHI, Nair Yumiko; SANTOS, Raimundo Nonato Macedo dos. Institucionalização da pesquisa científica no Brasil:cartografia temática e de redes sociaispor meio de técnicas bibliométricas. Transinformação, Campinas, v. 18, n. 1, 2006.

NIETZSCHE, F. Da retórica. 2..ed. Lisboa: Vega, 1999.

TESSER, Gelson João. Principais linhas epistemológicas contemporâneas. Revista Educar, Curitiba, n. 10, dez.1994, p. 91-98. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-40601994000100012&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 mar. 2017.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square
Siga

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ