Ciência da Informação: janelas epistemológicas

A constituição do campo científico da Ciência da Informação (CI), bem como do seu estatuto epistemológico, é ainda uma questão em aberto, apesar de todos os argumentos e afirmações colocados pelo pluralismo metodológico das ciências sociais e das suas perspectivas interdisciplinares e transdisciplinares (GONZÁLEZ DE GÓMEZ, 2001; MARTELETO; SALDANHA, 2016; MELOGNO, 2013; MOSTAFA, 1985, 1996, 2005).

Para González de Gómez (2001, p.5-6), por seu “caráter estratificado”, a informação permite a existência de inúmeras possibilidades de articulação dos estudos do campo, sejam eles pela via semântica, sintática, institucional e infra estrutural, além de sempre “ensejar uma disputa conceitual em arenas metadiscursivas”.

Para a autora essa disputa não deveria ser olhada como um “duplo opaco da epistemologia, em sua versão iluminista de uma meta-ciência”; mas sim, ao mesmo tempo, juntamente com “a epistemologia, um campo de explicitação de formações sociais de meta-conhecimento”, que necessitam ser investigadas em termos de uma “leitura conjunta ou transversal de questões e conceitos”para fins de esclarecimento das duas disciplinas.

Dessa forma, conforme argumento de Melogno (2013), o que podemos apontar historicamente, é, justamente, como uma espécie de convergência e consenso na área, um debate e uma busca de índole filosófica e epistemológica que fundamente e legitime o desenvolvimento das pesquisas no campo CI. Para esse autor, o que existe na literatura específica da área são intentos de definição que buscam consolidar as pretensões de conhecimento da área, bem como justificar as suas relações com as outras disciplinas científicas que, no momento, se encontram sob forte influência das ciências sociais e de perspectivas pós-modernistas. Enquanto exemplos dessa configuração histórico-epistemológica e filosófica do campo da CI o autor aponta desde os estudos de Egan e Shera (1952), Shera (1972), passando por Borko (1968) e Capurro (2003), até os trabalhos de Araújo (2003) e Mostafa (1996).

Acrescentamos a essa lista, como uma ratificação do que se opera no campo da produção do conhecimento da CI, González de Gómez (2001) que identifica a apresentação da ciência da informação ora como ciência empírico-analítica, ora como meta-ciência, ainda que nos últimos anos tenha explorado, um pluralismo metodológico próprio das ciências sociais e de um campo interdisciplinar.

No entanto, é em Mostafa (2005) que encontramos uma linha de reflexão mais explícita que pode nos ser útil para a caracterização do campo e da produção do conhecimento da CI. Em uma apresentação num simpósio internacional da área, a autora nos fala acerca das dificuldades e ao mesmo tempo da riqueza que as perguntas sobre o que é a informação e a própria CI e promovem.

Em sua argumentação, ela nos chama a atenção, mais do que na própria definição, para o contexto em que as correntes e olhares sobre a CI são formados. A metáfora que ela nos dá acerca da CI e o seu objeto se situa no prisma da própria transdisciplinaridade. Aponta, ainda, que nessa perspectiva o processo não deve ser procurado apenas com a enunciação de novos conceitos ou definições. Isso não traria novos ou melhores resultados daqueles que as diversas correntes e teorias no campo da CI já tentaram.

Sua análise nos sugere, fruto da sua própria trajetória intelectual e cientifica, que, para que possamos alcançar uma definição acerca do que seja Informação a partir das potencialidades do seu uso social, olhemos a produção do saber na CI em termos das suas relações com as outras áreas de conhecimento.

REFERÊNCIA

SANTOS, A. T. C. ; Miguez, G. . A Ciência da Informação enquanto ciência social interdisciplinar: as contribuições de Zubiri e Bourdieu. In: Elaine Rosangela de Oliveira Lucas, Murilo Artur Araújo da Silveira. (Org.). A Ciência da informação encontra Pierre Bourdieu. 1ed.Recife: Editora Universitária UFPE, 2017, v. , p. 439-454.

Outras fontes

ARAÚJO, Carlos Alberto A. A ciência da informação como ciência social. Ciência da informação, Brasília, v. 32, n. 3, p. 21-27, 2003.

_____. O que é Ciência da Informação?. Informação & Informação, v. 19, n. 1, p. 01-30, 2013.

BALLESTA, Pedro Abellán La Dedicación del Hombre a la Vida Intelectual Revista Portuguesa de Filosofia T. 69, Fasc. 1 (2013), pp. 165-180

BORKO, Harold. Information science: what is it? American Documentation, Washington, v. 19, n. 1, p. 3-5, jan. 1968.

BOURDIEU, Pierre. O campo científico. In: ORTIZ, Renato. Pierre Bourdieu: sociologia. São Paulo: Ática, p. 122-155, 1983.

____. Cosas dichas. Barcelona: Gedisa, 1988

_____. O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Russel, 2002.

_____. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia do campo científico. São Paulo: Ed. Unesp, 2004.

_____. Os usos sociais da ciência: por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Ed. da UNESP, 2004.

_____; WACQUANT, Louis. An invitation to reflexive sociology. Chicago: The University of Chicago Press, 1992.

_____; _____. Una invitación a la sociología reflexiva. Siglo XXI Editores, 2005.

BORKO, Harold. Information science: what is it? American Documentation,Washington, v. 19, n. 1, p. 3-5, jan. 1968.

CAPURRO, Rafael. Epistemologia e ciência da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5., 2003, BeloHorizonte. Anais... Belo Horizonte: Associação Nacional de Pesquisa e PósGraduaçãoem Ciência da Informação, 2003.

_____. Pasado, presente y futuro de la noción de información. In: ENCUENTRO INTERNACIONAL DE EXPERTOS EM TEORÍAS DE LA INFORMACIÓN, 1, 2009. Anais... Leon: Universidad de Leon, 2008.

CORRÊA, Maria Amelia Ayd. Notas sobre Bourdieu e a produção do conhecimento. Revista Vértices, 2010, v. 5, p. 33-42, 2010.

COSTOYA, Manuel Mejido. Beyond Nomological, Hermeneutic, and Dialectical Knowledge: Zubiri’s Radicalization of Scholastic Realism and the Hidden Ground of the Human-Social Sciences. The Xavier Zubiri Review, Vol. 6, 2004, pp. 61-71.Disponível em: http://www.zubiri.org/general/xzreview/2004/web/mejido_2004.pdf . Acesso em 19 set. 2014.

EGAN, Margareth E.; SHERA, Jesse H. ; Foundations of a theory of bibliography. Library Quarterly, v.22, n.2, p.125-137, 1952.

FERRAZ, Antonio. Filosofía, ciencia y realidad: apuntes zubirianos. The Xavier Zubiri Review, v. 7, 2005.

GIBERT GALASSI, Jorge. Perspectivismo y verdad en sociología: Bourdieu y Giddens. Cinta moebio, Santiago , n. 52, p. 69-78, marzo 2015 . Disponible en <http://www.scielo.cl/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0717-554X2015000100006&lng=es&nrm=iso>. accedido en 08 mayo 2017. http://dx.doi.org/10.4067/S0717-554X2015000100006.

GONZALEZ DE GOMEZ, Maria Nélida. Para uma reflexão epistemológica acerda da Ciência da Informação. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 6, n. 1, 2001.

GUERRERO ANAYA, Luis José. Fundamento y funcionalidade de la ciência em Pierre Bourdieu y Xavier Zubiri. Jalisco, 2006. Dissertação (Mestrado em Filosfia Social) – Departamento de Filosofia e Humanidades, Instituto Tecnológico y de Estudios Superiores de Occidente (ITESO), 2006.

MARTELETO, Regina; SALDANHA, Gustavo. Informação: qual o estatuto epistemológico? In: MORIGI, Valdir; Jacks, Nilda; GOLIN, Cida (Org.). Epistemologias, comunicação e informação. Porto Alegre: Sulina, 2016. P. 69-89

MELOGNO, Pablo. Epistemología de las ciencias de la información: una perspectiva no fundacionista. Palabra clave, Ensenada , v. 2, n. 2, p. 11-23, abr. 2013 . Disponible en <http://www.scielo.org.ar/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1853-99122013000100002&lng=es&nrm=iso>. accedido en 02 mayo 2017.

MOSTAFA, Solange Puntel. Epistemologia da Biblioteconomia. Tese (Doutorado em Educação),Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo: [s.n], 1985. 140 f.

_____. Enfoques paradigmaticos da bibliotecología: unidade na diversidad ou diversidad na unidad. Investigación Bibliotecológica, v. 10, n. 21, p. 18-21, 1996.

_____. Ciência da Informação e suas relações com outras áreas. 2005. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL. Marília, 2005. Anais... Disponível em: <https://www.marilia.unesp.br/Home/Extensao/CEDHUM/texto03.pdf>. Acesso em: 10 abr. 2017.

SCARTEZINI, Natalia. Introdução ao método de Pierre Bourdieu. Cadernos de Campo: Revista de Ciências Sociais, v. 14, 2011.

SHERA, Jesse. The Foundations of Education for Librarianship. New York: Beckerand Hayes, 1972.

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Arquivo
Procurar por tags
Siga
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square

© 2013 Ecce Liber: Filosofia, Linguagem e Organização dos Saberes. Desenvolvedor: Diogo Xavier da Mata.

Centro de Estudos Avançados em Ciência da Informação e Inovação (CENACIN - IBICT)

CAPES - CNPq - FAPERJ